Cabo Verde prevê candidatar tabanka a património da UNESCO em 2023

O género musical da tabanka vai ser candidato a património imaterial da humanidade UNESCO em 2023, anunciou hoje o Instituto do Património Cultural (IPC) de Cabo Verde.

“A candidatura da Tabanca a Património da Humanidade está prevista para 2023”, lê-se num comunicado divulgado hoje pelo IPC, sobre a inauguração da “kaza Tabanka”, na cidade da Praia, e da abertura da exposição “Tabanca Txada nós identidade”.

A tabanca é um género musical e uma manifestação cultural típica de Cabo Verde caracterizada por um canto e resposta, entre a cantora principal e os restantes, que repetem em uníssono, ao som de tambores, apitos e búzios, entre outros instrumentos.

Segundo o IPC, o evento de hoje acontece no âmbito do plano de “Valorização e Dinamização da Tabanca de Achada Santo António – 2022”, após “dois anos marcados pela pandemia em que a crise global, com reflexos a nível nacional, fez perigar a realização das atividades da tabanca”.

“As atividades da tabanca são retomadas com fervor numa altura em que o Instituto do Património Cultural trabalha para elevar esta manifestação popular a um patamar internacional com o processo de candidatura a património da humanidade”, explica aquele organismo.

Acrescenta que esse processo teve início em 2017, “com o financiamento das atividades dos grupos de tabanca formalmente reconhecidos”, seguindo-se a “documentação e salvaguarda da tabanca através do inventário realizado com todos os grupos das ilhas de Santiago e do Maio”, o que conduziu à sua classificação a Património Cultural Imaterial Nacional, em 2019, “assim como suporte aos grupos na criação e musealização de casas da tabanca, enquanto espaços de interpretação desta manifestação cultural”.

Devido à crise económica provocada pela pandemia de covid-19 em 2020, o Governo cabo-verdiano anunciou no final daquele ano cortes em vários projetos públicos, nomeadamente cinco candidaturas à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO, na sigla inglesa), casos do ex-Campo de Concentração do Tarrafal, ilha de Santiago, da vila de Nova Sintra (ilha Brava) e da cidade de São Filipe (ilha do Fogo), as três a Património da Humanidade.

Ficaram igualmente suspensos até agora os projetos de candidatura da tabanca (género musical) e das Festas de São João (que se realizam em vários pontos do arquipélago) a Património Imaterial Cultural da Humanidade, também da UNESCO.

Este recuo surgiu um ano após a morna, género musical típico de Cabo Verde, ter então completado o primeiro aniversário da proclamação como Património Imaterial Cultural da Humanidade pela UNESCO (11 de dezembro de 2019).

Há cerca de 12 anos, a Cidade Velha, na ilha de Santiago, tinha já sido elevada a Património Mundial da UNESCO.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest