Cerca de 20 mil pessoas marcaram presença no segundo dia do Gamboa que terminou por volta das onze da manhã

O palco recebeu treze atuações e o horário estipulado para o término foi ultrapassado em cerca de três horas.

Com um sol abrasador e um público ainda com energia, o segundo dia da 30.ª edição do Festival da Gamboa terminou por volta das 11h00 com o rapper de origem cabo-verdiana Apollo G que para surpresa dos fãs trouxe a cantora Soraia Ramos para o palco.

Mas pelo palco do festival deste sábado, 18, passaram várias vozes e géneros musicais, nomeadamente, Os Tubarões, Gardénia Benrós, David Brazão, Heavy H, o homenageado desta edição, Nelson Freitas, Deejay Télio, Elji Beatzkilla, Tó Semedo, Neyna, Titio de Belo Freire e Kamoka, Rods Wires, Zé Espanhol e Apollo G.

Com cerca de uma hora de atraso, o grupo Os Tubarões abriu o palco do segundo dia do festival por volta das 23h00, com uma variedade de temas que marcaram o percurso musical de mais de cinco décadas desta banda icónica, mas com um toque de inovação.

Após a sua atuação em conferência de imprensa o vocalista do grupo, Arlindo Rodrigues avançou que as diversidades das músicas apresentadas nesta noite são temas conhecidos e o objetivo é inova-las e fazer novas roupagens para lhes dar mais brilho.  

“A vibração do público foi maravilhosa e foi incrível ver os jovens vibrar com música tradicional ao contrário do que muitos falam a geração de hoje ouve e gosta deste estilo musical”, disse o vocalista do grupo, que acrescentou que fazer parte do grupo “é um sentimento de responsabilidade e que foi o desafio mais difícil da sua vida – ser vocalista de um grupo renomado tanto a nível nacional como internacional”.

Este ano, a banda vai ser homenageada na categoria prémio carreira nos Cabo Verde Music Awards e o artista afirmou que o sentimento é de orgulho de fazer parte desta história.

Diretamente dos Estados Unidos da América, a cantora cabo-verdiana Gardénia Benrós foi a segunda artista a levar a música tradicional ao público. Com o relógio a passar das 00:30, a artista cantou Tchapéu di Padja ao lado do grupo de dança Raiz di Polon.

Em entrevista ao Balai após a sua atuação, a artista afirmou que se sente muito feliz e honrada porque a cidade da Praia é o seu berço e aproveitou para agradecer à Câmara da Praia pelo convite. 

“Trouxe para o palco da Gamboa hoje um espetáculo dinâmico com as músicas da minha geração, nomeadamente temas como, Talaia Baixo, Batuque, Coladeira e entre outros porque desde a minha infância canto as músicas tradicionais de Cabo Verde”, adiantou a artista.

“Brevemente vou lançar com remix com as músicas que cantei hoje é o objetivo é representar Cabo Verde de uma forma mais geral a partir das músicas tradicionais”.

David Brazão subiu ao palco do Gamboa depois de 12 anos para apresentar temas mais antigos como Nha Memória, mas também Criola de Mindelo e Bu ta Completam, entre outros. 

Natural da Praia, o artista confessou que a sua apresentação no palco do Gamboa foi “um momento mágico” e que ficou feliz por ver a reação do povo com as músicas. “Apesar de pouco tempo de ensaios, fizemos um grande espetáculo. Atuei há 12 anos no palco da Gamboa. Antes da minha atuação estava com um pouco de receio de levar ao público estilos de músicas que não encaixam com a nova geração, visto que temos um público jovem”.

Este ano o artista prometeu muitas músicas novas e levar a área musical “mais a sério” porque agora está com mais tempo para se dedicar à carreira e deixou o incentivo para que os mais jovens “plantem bem as suas sementes” nesta área para que elas nasçam com força.

Heavy H, o homenageado desta edição 

O artista e empreendedor Heavy H foi o homenageado da 30.ª edição do Festival da Gamboa. Heavy subiu ao palco para cantar temas que marcaram uma geração. O entertainer afirmou estar grato pelo gesto da Câmara Municipal da Praia e lembrou que a Gamboa foi a sua primeira casa e que já foi apresentador do evento.

“Estou muito orgulhoso e grato. Infelizmente a nossa cultura não é muito grata, mas esta homenagem apanhou-me em grande. Cresci na primeira casa da Gamboa, portanto esta festa é para mim o meu quintal (de casa). Estive cá desde que o festival era apenas um contentor (…)”, lembrou.

Heavy H afirmou ainda aos jornalistas que nunca esteve parado, mas sim deixou de receber convites para atuar em concertos e festivais nacionais, no caso do Gamboa, por mais de 14 anos.

Já eram por volta das 4h00 quando Nelson Freitas subiu ao palco para fazer o público viajar pelo seu repertório musical com temas como Bo tem Mel,Rebound Chick, Ela é, em como temas mais recentes como Mariana, inclusive singles do novo álbum Black Butterfly.

“Foi tudo o que estava à espera e muito mais”, brincou o artista que regressou à cidade da Praia depois de em dezembro ter atuado no âmbito do Kriol Kings e acrescentou que a energia do Gamboa foi diferente desse espetáculo.

Nelson Freitas confessou que o novo álbum lançado há dois meses está a ser bem recebido e que vai gravar um videoclipe em Cabo Verde. O artista ainda confirmou que cantou no aniversário do futebolista português Cristiano Ronaldo há alguns anos.

Começava a clarear quando o angolano Deejay Télio acordou o público e fez todos levantar o pé do chão com os hits como Molexado, Esfrega, Esfrega, Não Atendo, entre outros temas.

“Há  muito tempo não atuava na cidade da Praia e não estava à espera desta receção e a vibração do público surpreendeu-me muito. Tenho só de agradecer e espero voltar brevemente”, adiantou o Deejay Télio que aproveitou para dizer que em setembro próximo vai ter álbum novo e que espera voltar ao arquipélago. 

Perto das sete da manhã, subiu ao palco em grande estilo Elji Beatzkilla. O artista que esteve acompanhado pela sua banda brindou o público com muita animação e dança num estilo que lhe é característico. O artista contou ainda com os rappers PCC e o Boy Game como convidados.

No final, Elji afirmou que é sempre um grande prazer atuar para o público em Cabo Verde, mas lamentou ter de encurtar o show por causa de atrasos.

“O povo da Gamboa é incrível, tens de fazer para o sentir e estou muito feliz, gostei muito da energia que me deram. Foi único”, afirmou e agradeceu por o público ficar até ao amanhecer para esperar pela atuação. O artista que na sua última performance tinha atirado notas para o público, brincou que desta vez prefere guardar o dinheiro.

Num registo mais romântico, o cantor e produtor Tó Semedo subiu ao palco e trouxe ao público vários temas populares. O artista regressou ao festival depois de 2016 ter encerrado o certame.

“Preparei um grande show para apresentar esta noite e consegui realizar metade dos objetivos traçados devido ao pouco tempo, mas estou muito feliz pelo público ter abraçado este show”, afirmou o cantor avançou que este ano o festival conta com uma diversidade de artistas e que esta é uma “boa iniciativa” da Câmara Municipal da Praia que espera que seja para continuar. 

O artista lançou há duas semanas um novo álbum intitulado  “Essence” após sete anos sem lançar novos projetos, um trabalho que diz que está a ser muito bem recebido pelo público e que em breve vai divulgar este novo trabalho no país

No relógio passava das 8h30 quando Gamboa recebeu a cantora Neyna que entrou em palco com a música “Menino Veneno”. Durante a sua atuação, a artista entregou muita sensualidade, dança e euforia para o público que cantou e vibrou da primeira à última música, entre as quais não faltou Nu Ka sa Para.

Em declarações à imprensa após a atuação, Neyna mostrou-se feliz com o público que estava à sua espera desde as 22h00. Sobre a nomeação nos Cabo Verde Music Awards (CVMA) da música Bu Ka Speraba, que Neyna interpretou em palco, a artista explicou que é agradável ver os seus trabalhos serem reconhecidos.

O grupo Titio de Belo Freire e Kamoka fez a sua estreia no palco na Gamboa ao ritmo do bom kotxi pó. A dupla avançou, em entrevista ao Balai, que foi bem recebida pelo público e que espera receber o convite novamente na próxima edição. 

O grupo conta este ano com uma nomeação na categoria de Melhor Funaná nos CVMA com o tema “Kamoka” e esperam vencer o prémio. Os dois adiantaram que o tema “Kamoka” que conquistou o povo cabo-verdiano foi inspirado no pai. 

Para alegria dos fãs, o próximo a subir ao palco foi Rods Wires, autor do tema Matagal que já conta com várias edições e que fez a sua estreia no Gamboa sob as vibrações do público que apesar do sol mantinha-se ao rubro. 

“O show teve muitos atrasos mas correu tudo bem e é a minha primeira vez na Gamboa. O tema “Matagal” foi o público que criou e eles abraçaram essa música. Espero que o público continue a ouvir as cinco versões deste tema”, afirmou no final.

Quase a terminar o segundo dia, foi a vez do homem do funaná entrar em ação depois de alguma espera. Zé Espanhol esteve acompanhado de duas bailarinas e fez o público dançar nos ritmos de Santiago.

No final, em declarações à imprensa, o artista agradeceu a presença do público que ficou até o meio da manhã, sob o sol quente, à espera. Esta é a quarta vez do cantor que reside em Portugal atua no festival da Gamboa

O segundo dia terminou com um show muito aplaudido do rapper de origem cabo-verdiana Apollo G. O artista e a sua banda distribuíram t-shirts ao público que retribuiu a oferta com muita emoção que levou os seguranças e a Polícia Nacional a reforçar o perímetro à volta do palco.

O ponto alto da atuação foi a entrada surpresa da cantora Soraia Ramos para junto com Apollo interpretar o tema Muda num clima que deixou os fãs ainda mais enérgicos.

Segundo fonte da CMP, passaram pelo certame cerca de 20 mil pessoas neste sábado, sendo que os números oficiais serão adiantados após o encerramento do certame.

Se a noite de sexta-feira foi classificada como serena pelo público, este segundo dia foram registados vários incidentes, inclusive pessoas junto do público relataram alguma confusão na hora de entrar no evento a meio da noite.

A animação prossegue neste domingo, 19, que é o dia do município da Praia, e é dedicado ao público mais jovem e terá entrada gratuita. Há atividades de dedicadas às crianças e a partir das 18 horas até à meia-noite com atrações musicais como: Mika Kutubelada, Ste Mandela, Ga DaLomba, Paulinha, Herderos Codé di Dona, Zé Delgado, Cjey Patronato, Lejemea, Chando Graciosa, Jonatthon, Vhabulla, Eddu e para fechar o palco os Tabanka Djaz.

Cidália Semedo

Cidália Semedo

Jornalista estagiária

Outros artigos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Agenda