“É preciso olhar para o regime de partido único sem fanatismos e compreender melhor esse período histórico” – autor

O autor do livro “O regime de partido único no processo de construção do Estado de Cabo Verde” considerou hoje ser preciso olhar para esse período histórico “sem fanatismos” e compreender melhor a formação da nação cabo-verdiana.

Graciano Nascimento, que falou à imprensa no acto de lançamento, no auditório Onésimo Silveira, na Universidade do Mindelo, explicou que a obra resulta da tese de doutoramento em Ciências Sociais, na qual decidiu abordar o regime posto em prática no País após a independência, em 1975, até 1991, quando se deu a abertura política.

Então, segundo a mesma fonte, após todo esse tempo, é preciso olhar para o tema “sem fanatismos” e deixar uma contribuição científica para uma “melhor compreensão” do período histórico de “extrema importância” para a compreensão da forma como a nação cabo-verdiana, que já existia, formou-se em Estado.

“É um trabalho científico com fontes devidamente identificadas e, portanto, que se baseia em conceitos que são universais e procurei trazer os conceitos e adaptar à realidade do tema estudado em Cabo Verde”, explicou o autor.

Sob este pretexto, o livro, explicou, começa a fazer a abordagem científica desde a luta da libertação nacional até a abertura ao multipartidarismo em Cabo Verde, passando pela constituição do Estado, a sua matriz ideológica e analisando também diferentes momentos ao longo dos 15 anos de regime de partido único e que marcaram “de forma indelével” a história da nação cabo-verdiana.

Daí, a necessidade de se ver para o regime de partido único na sua vertente histórica e não na sua vertente política, assim como a questão das estratégias adoptadas pelo Estado, “para salvar o País da situação de penúria económica e social em que se encontrava”.

“Quem ler o livro vai ver que é possível avaliarmos o regime, analisarmos a história sem crucificar e ver apenas na sua dinâmica histórica, na sua dinâmica social e política que foi importante para a consolidação do Estado que se criou em Cabo Verde”, argumentou Graciano Nascimento.

Uma forma de interpretação diferente, que, a seu ver, deverá contrapor à uma franja da população que vê para esse período como “algo mau”.

“Mas devo dizer que vão encontrar no meu livro uma citação do doutor Onésimo Silveira, que o regime do partido único, visto do ponto de vista histórico, tem um saldo amplamente positivo e criou a estrutura, criou os pilares bases do Estado que ainda temos”, afiançou o autor, para quem este é um facto, não obstante os “exageros” e os “momentos de maior tensão”.

Sendo assim, sublinhou, o livro “O regime de partido único no processo de construção do Estado de Cabo Verde” poderá ser aproveitado, por exemplo, pelos estudantes, que queiram ter mais conhecimentos da história de Cabo Verde.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest