Élida Almeida alerta jovens e adolescentes mindelenses para “atrasos advenientes” de uma gravidez na adolescência

A cantora Élida Almeida esteve hoje na Escola Secundária Jorge Barbosa, no Mindelo, para chamar atenção dos jovens estudantes sobre os “atrasos” e “impedimentos” que podem surgir com uma gravidez na adolescência. 

A mini-conferência enquadra-se na campanha “Adolescência primeiro e gravidez depois”, apadrinhada pela cantora e que resulta de uma parceria entre o Instituto Cabo-verdiano de Igualdade e Equidade do Género (ICIEG), as Nações Unidas, o Ministério da Saúde e o Ministério da Educação.

Trata-se de uma iniciativa de abrangência nacional, que visa aumentar a consciencialização social sobre a problemática da gravidez na adolescência, através de várias acções, entre as quais palestras nas escolas, que arrancaram hoje na Escola Jorge Barbosa.

Élida Almeida disse à imprensa no Mindelo, que uma das principais mensagens que tem estado a focar é o quanto uma gravidez na adolescência pode “atrasar ou impedir” os jovens de atingir certos objectivos.

“Eu passei e o vivi e sei o quanto isto me atrapalhou a atingir certos objectivos e metas que tracei”, sublinhou a mesma fonte, que disse alertar os adolescentes para não seguirem o seu exemplo de ter engravidado aos 16 anos.

A artista lembrou que a maior parte das adolescentes, quando engravidam, não têm apoios dos pais e tão pouco dos companheiros, o que, a seu ver, “obriga-as a optar por outras coisas e ficar sem tempo para os estudos”.

“Não é sempre que temos a sorte de ter pessoas à nossa volta para nos suportar”, aconselhou Élida Almeida, que disse não ter pensado duas vezes em abraçar essa “causa louvável”, com a qual se identifica.

Por isso, ajuntou, é preciso insistir e fazer despertar os adolescentes, ainda mais com uma figura como ela, que “normalmente têm como referência”.

“A adolescência é muito boa, é uma fase maravilhosa em que fazemos novos amigos e descobrimos capacidades do nosso corpo e da nossa mente e o rumo que queremos dar à nossa vida, por isso, aproveita-a, porque, tudo tem seu tempo e gravidez tem o seu tempo certo”, advertiu.

O director da Escola Secundária Jorge Barbosa (ESJB), Arickson Delgado, admitindo que este liceu não é excepção em termos de gravidez na adolescência, ressaltou a pertinência da campanha para a resolução dessa problemática, que “passa pela educação”.

A própria ESJB tem vindo, segundo a mesma fonte, a realizar acções para o “combate” à problemática, incluindo o Gabinete de Apoio Psicológico, que presta um “apoio diferenciado” aos jovens-mães e jovens-pais.

Arickson Delgado informou ainda que a escola tem verificado casos de gravidez desde os 15 anos até aos 18 anos, chegando, nalguns anos lectivos, a 15 alunas grávidas para um total de mais de dois mil alunos.

Durante a palestra, os alunos, na maioria meninas, colocaram questões a Élida Almeida sobre os problemas que teve de enfrentar durante a sua gravidez.

Depois de São Vicente, as palestras continuam no Sal, dia 01 de Outubro, depois Cidade da Praia e nas restantes ilhas.

De acordo com os dados do Inquérito Demográfico de Saúde Reprodutiva III (IDSR), de 2018, do Instituto Nacional de Estatística (INE) indicava que 12 por cento (%) das meninas (jovens/adolescentes) de 15-19 anos de idade já tinham tido, pelo menos, um filho (nado-vivo).

 

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest