Expositores expectantes com retoma da 8ª edição do AME

Paralelamente ao programa musical do Atlantic Music Expo 2022, iniciou hoje, 14, uma feira com vários stands na Praça Alexandre Albuquerque, na Cidade da Praia, com expositores de várias regiões da ilha de Santiago, bem como de outras ilhas do país.

O artista cabo-verdiano Gil Moreira, um dos expositores na feira, garante que trouxe para a exposição algo que nunca tinha sido exposto até então.

“É uma exposição de músicas feitas há mais de vinte anos em Cabo Verde (…) um espólio que tem vindo a desaparecer junto com a própria música tradicional cabo-verdiana”, diz Gil Moreira.

O músico, ator e encenador espera que mesmo que esta edição não seja igual as realizadas antes da pandemia, que o AME traga algo novo, pela positiva.

Gil Moreira enfatiza ainda a importância de o evento ter sido alargado a São Vicente, porque segundo o mesmo, o Atlantic Music Expo beneficia não só uma comunidade de artistas, mas também jornalistas, artesãos e vários outros profissionais.

A Câmara Municipal do Maio e a Fundação Maio Biodiversidade representadas pelas expositoras Kátia Lopes e Andreia Adrião, respetivamente, dizem que apesar de hoje ser o primeiro dia, a expectativa foi ultrapassada por estarem a receber uma boa adesão do público até o momento.

“Temos uma leve impressão que as pessoas não conhecem a nossa ilha, mas por incrível que pareça estamos a fazer uma boa venda (…) trouxemos cristais de sal (diferentes formas), grogue de cana, conservas de peixe, queijo de terra, sais de banho, doces e também a biodiversidade da Ilha (considerada em 2020 a reserva mundial da biosfera junto com a ilha do Fogo).”

As expositoras revelam ainda que já pediram mais produtos face à grande demanda que tem recebido.

Assim como as expositoras maienses, Helton Pereira de Santa Catarina, Engenhos, é também estreante na feira. Na sua banca encontram-se produtos como grogue, ponche, licor, mel e calda da cana que fazem parte da sua marca, Djond’Ilena, uma marca que é, conforme o jovem empreendedor, uma homenagem aos avôs.

“Esperamos que esta feira possa possibilitar-nos alargar a nossa marca. Também espero representar Santa Catarina da melhor forma e, naturalmente, conseguir fazer uma boa venda, porque a feira para além de permitir expor os produtos, também permite vende-los.”

Diferente das atuações musicais que vão decorrer até o dia 15, a feira estará patente ao publico até o dia 18 deste mês na praça Alexandre Albuquerque.

Marcel dos Santos/ Estagiário

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário