June Freedom: “Este álbum reflete estes dois mundos: os EUA e a minha infância em Cabo Verde”

Nasceu nos EUA, mas foi na ilha do Fogo que descobriu e se apaixonou pela música tradicional cabo-verdiana. Em Cabo Verde para divulgar o Anchor Baby, álbum de estreia que destaca a sua jornada musical, June Freedom falou sobre o seu percurso que culminou com a publicação deste trabalho eclético.

“Este último mês, em que estive a terminar o meu álbum, foi uma luta (…) para ter a oportunidade de mostrar as minhas raízes”, começa por explicar June sobre como foi feita a composição do álbum a solo Anchor Baby, dado a conhecer ao público em junho passado.

 

Com 11 faixas e duas bónus track, o álbum traz variadas sonoridades algumas mais tradicionais, outras mais modernas.

 

O primeiro tema a ser apresentado ao público foi ‘Andreia’. O single foi composto por Mark Delman e já caiu no agrado do público cabo-verdiano e não só.

 

O artista esclarece que o Anchor Baby é uma homenagem às mulheres crioulas. “Cada som destaca uma cabo-verdiana e o seu trabalho”, explica o artista e acrescenta que para o efeito foi pensado igualmente a publicação de selos digitais com diferentes musas cabo-verdianas.

 

Dos temas que compõem o álbum, June destaca curiosamente o intro Pé Na Caminho – Timbre d’Oru, talvez porque o tema traz um pouco do que é a essência do álbum e da caminhada de June – batuque, RnB, com rimas em inglês num estilo spoken word.

Este é o meu ‘primeiro filho’. Espero que tenha uma boa audiência”

“Este é o meu ‘primeiro filho’. Espero que tenha uma boa audiência (…)”, afirma June e explica que o álbum é ilustrativo da sua jornada e os passos que deu até chegar ao produto final.

 

Integra o álbum uma colaboração com Nelson Freitas, que June conheceu há cerca de uma década nos EUA, um tema que fala sobre a pandemia da covid-19 e que faz agora parte do álbum – Dor d’um kriolu. O videoclipe do single que conta com meio milhão de visualizações no Youtube foi gravado em duas geografias diferentes – Portugal e EUA.

 

Entre as colaborações do Anchor Baby estão igualmente nomes como Elji Beatzkilla, Rhita Nattah e Stacy Barthe.

 

Questionado sobre outros artistas com os quais gostaria de colaborar, este cantor e compositor autodidata destaca o Dino d’Santiago, mas também a cabo-verdiana Mayra Andrade. Salienta ainda que gostaria de fazer samples com artistas de outras gerações.

 

De Júnior a June Freedom

 

Vive em Los Angeles, na Califórnia, e diz sentir saudades da cachupa da mãe, que reside no Fogo e é proprietária de um restaurante típico em S. Filipe, o Tropical. Foi neste recinto que June, na altura Pedro Veiga ou simplesmente Júnior, começou a dar os primeiros passos na música.

 

Apaixonado pela morna e coladeira, com 11 anos, Júnior inspirava-se em Ildo Lobo, que até atualmente ainda considera uma referência. “Até hoje carrego comigo o Ildo (Lobo) para todos os cantos do mundo que vou. Mostro às pessoas (…) ficou comigo para sempre. Este tempo da minha vida marcou-me imenso”.

 

Aos 15 anos regressou aos EUA, país que o viu nascer e onde viveu até os três anos. Trocou de nome e foi como Jay R Veiga que apostou no cabo zouk e kizomba. Apesar de ter músicas publicadas, June achou que não estava a crescer como artista.

 

Tomou a decisão de rumar a Nova Iorque e depois para a Califórnia. Começou a compor para outros artistas reconhecidos nos EUA. “Estava a estudar, peguei na guitarra para aprender melodias. Aprendi mais sobre mim. Foi um momento bonito porque passei a saber mais sobre o que gosto ou não”.

 

“Este álbum reflete estes dois mundos: os EUA, com estilos mais RnB, Hip Hop, Rock, funk, e a minha infância em Cabo Verde, com sons mais tradicionais. É uma fusão, um casamento”.

Comecei com pouca idade, mas com muito atrevimento (risos)”

“Comecei com pouca idade, mas com muito atrevimento (risos)”, afirma June sobre a sua experiência no mundo da música, quer como compositor quer como cantor. “A música é algo que está dentro de nós”.

 

Escrever para outros artistas num meio tão competitivo como o mercado americano permitiu-lhe ganhar outra bagagem, conhecer várias pessoas que atuam no mercado internacional da música. Mas nem tudo são rosas. “É muita pressão, por vezes é avassalador. Mas foi assim que aprendi a fazer um som em menos de cinco minutos”.

 

June salienta que o processo criativo é algo muito espontâneo. “Nunca sabes como vai sair”. Afirma ser grato por todo esse percurso e bagagem, mas explica que neste momento está focado na sua carreira enquanto artista.

 

Pelo meio, ainda teve tempo de trabalhar como modelo para algumas marcas internacionais.

 

Mas afinal como surgiu o nome artístico de June Freedom que adoptou em 2015? O cantor explica que June vem de Júnior, já Freedom (Liberdade) é o que quer alcançar e surgiu a partir do nome da guitarra que é a sua eterna companhia.

 

Apresentação em Cabo Verde

 

Depois de 8 anos, o cantor regressou a Cabo Verde em novembro de 2020 e agora em julho para apresentar Anchor Baby, bem como para gravar o videoclipe do tema Preta, June quis igualmente sentir o impacto do seu primeiro trabalho junto do público local.

 

Na Praia promoveu um Meet & Greet, um formato inovador, onde teve oportunidade de conversar com o público, falar sobre o processo criativo e partilhar algumas das músicas que fazem parte do álbum.

 

Da música aos dotes na cozinha

 

June que vive na Califórnia, um estado onde a presença de cabo-verdianos não é tão significativa como em Rhode Island and Providence, mas quando no início deste ano resolveu apostar num take out de comida cabo-verdiana, Cape Green, foi um sucesso imediato, ao ponto do seu manager lhe ter dito para se desfocar da cozinha e voltar à música.

 

“Não há nada que se compare à minha cachupa”, diz orgulhoso e salienta que a vivência nos bastidores de um restaurante lhe permitiu adquirir dotes culinários.

 

Por hora fechou a cozinha, até porque estava a cozinhar todos os dias, mas tenciona abrir um restaurante ainda este ano, com um parceiro local.“O meu foco principal agora é a música”, garante.

 

Em setembro, June será o cabeça-de-cartaz do festival I love Cabo Verde nos EUA, promovido pela Sigui sabura.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest