Mário Marta, um ‘Ser de Luz’

Mário Marta encontra-se em Cabo Verde para promover o seu primeiro álbum a solo - “Ser de Luz”, que foi produzido durante esta pandemia da covid-19. Em entrevista ao Balai, o cantor que reside em Portugal e que recentemente deu aos fãs um cheirinho do novo trabalho com o single “Pé Di Campo,” diz que a pandemia foi profícua para os artistas da produtora Broda Music.

Para Mário Marta, a pandemia da Covid-19 acabou por ser “uma salvação” e “uma época boa”. Inspirado, escreveu várias músicas e produziu o seu primeiro trabalho discográfico a solo denominado “Ser de Luz”, que será lançado no início do próximo mês de dezembro.

”A pandemia inspirou-me naturalmente. Nessa altura percebi que a música é fundamental e está presente em todos os momentos. Então, acho que a minha relação com a música durante essa quarentena aprofundou-se ainda mais. Até porque nesta altura produzi músicas específicas para sair no álbum”.

Questionado sobre como foi produzir em tempos de pandemia, o músico diz que foi uma fase incrivelmente profícua para os artistas da Broda Music.

“Produzimos os álbuns ‘Ser de Luz’, ‘Mininu di Oru’ de Djodje, bem como de Ricky Man e Kady. Tudo está com uma onda incrível. Esta pandemia foi bastante produtiva para a produtora. É uma época que vamos recordar não pelo mal que está a causar pelo mundo, mas pelo bem que fez a Broda Music”, diz em entrevista ao Balai Cabo Verde.

De acordo com o artista, “Ser de Luz” está recheado de ritmos como batuco, coladeira, morna e funaná.

“Antes de mais, ‘Ser de Luz’ tem uma mensagem subliminar. Sou um ser de luz e quero que todos sejam catalisadores de energia positiva. O público pode esperar ritmos vibrantes, alegres e cheios de peripécias porque é algo que está sempre presente nas músicas cabo-verdianas”.

O álbum é composto por oito temas inéditos e três faixas bónus que são “Aguenta”, “Boa” e “Kriol”, todas elas premiadas.

As composições são da autoria de Mário Marta, Broda Music, Kim Alves e Tibau Tavares. Já os arranjos musicais são de Kim Alves e da Broda Music, mais especificamente de Djodje e Gerson Marta.

“Morna Vanguarda”, “Pé Di Campo”, “Olga”, “Olime t Txega”, “Es ca ta reia”, “Káká”, “Sonhos de Rosa” e “Pitada KanKan” são os nomes dos oito singles que compõem o álbum.

“Para mim Olga é a música mais interessante deste álbum. Deu-me muito gosto em fazê-la e conta a história de uma baleia que vi durante um retiro musical na Cidade Velha”.

Neste trabalho, Mário Marta contou com a colaboração da cantora foguense, radicada nos EUA, Neuza de Pina no tema “Pé Di Campo” que já se encontra disponível online.

“A música está a ter boa repercussão. Estou a receber várias mensagens interessantes de músicos e de gente nova. Ainda não tive tempo de responder todas, mas vou responder porque sou uma pessoa comunicativa. O feedback está a ser muito bom”.

“Sou Cabralista”

Filho de pai guineense e mãe cabo-verdiana, Mário Marta nasceu na Guiné-Bissau e define-se como cabralista.

“Nasci numa altura em que Cabo Verde e Guiné-Bissau eram um só país. Perguntam-me sempre se sou cabo-verdiano ou guineense e respondo que sou cabralista” (gargalhada).

O artista nasceu no seio de uma família de músicos, cresceu no meio de tocatinas e foi uma tia que o incentivou a cantar.

“Digo que tenho uma alma feminina porque sempre estive rodeado de mulheres. Cresci com a minha tia Eunice, que para mim é a melhor pessoa que já ouvi a cantar na minha vida e foi ela que me incentivou a cantar. Todas as minhas tias e, inclusive a minha mãe, cantam muito”, conta.

O artista revelou ao Balai que foi nas tocatinas na sua casa na cidade do Mindelo que conheceu a malograda diva Cesária Évora.

“Cize frequentava a nossa casa e cantava com a minha tia Eunice. Lembro-me que havia um sofá pequeno no corredor da casa onde ela sentava e eu e o meu primo tínhamos o dever de curar os cravos que ela tinha nos pés. Era por isso que ela andava descalça. Na altura, ensinei a Cesária a cantar a morna Partida”, recorda e diz que não imaginava que estava “a curar os pés de uma diva”.

Shows na Praia e no Mindelo

Em Cabo Verde para divulgar o trabalho, Mário Marta tem agendado dois shows para o mês de dezembro nas cidades da Praia e do Mindelo. O primeiro concerto acontece no dia 03 no Auditório Nacional e o segundo no dia 04 no Mindel Hotel.

“Quero que as pessoas me conheçam ao vivo. O palco é a minha casa e é onde realmente gosto de estar. Sempre fui extrovertido e é assim que gosto de estar em palco. Vou cantar temas do álbum e outros que me inspiram e que têm algum significado. Espero ter muitas pessoas nos shows”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest