Peça “Ser ou não ser” faz as honras da casa na abertura da 12ª edição do SalEncena

A 12ª edição do Festival Nacional de Teatro SalEncena arrancou na noite de quinta-feira, 13, no Centro Cultural de Santa Maria, com a peça “Ser ou não ser”, de Shakespeare, a fazer as honras da casa.

A peça, encenada pelo grupo instantâneo Teatro de Improviso, vindo de Portugal, é o primeiro grupo a atuar na edição de 2024 que se prolonga até domingo, 16, com momentos de tributo ao Centenário de Amílcar Cabral.

Para o ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente, depois destes 12 anos de festival na ilha “vê-se que é um evento de muita qualidade”, embora lamente a “fraca adesão” do público salense, pelo menos neste primeiro dia.

“Tivemos uma abertura com uma peça de teatro que podia ser em qualquer outra parte do mundo, com qualidade, humor, boa encenação, com uma boa dramaturgia, um texto interessante é perceber que aqui há um público finalizado”, explicou.

“É uma pena que não haja mais público, é uma pena a coincidência de muitos eventos na mesma semana, mas acho que se sentiu a alma de todos os anos do festival”, reforçou o ministro.

A mesma fonte sublinhou que “de facto” existe um projeto para o centro cultural, mas que implica um envolvimento, tanto do Ministério da Cultura como da Câmara Municipal do Sal.

Para a vereadora da Cultura da autarquia salense, Maria João Brito, este ano o festival apresentou um cartaz “muito feliz”, com “excelentes peças”, além do habitual Dja d´Sal Storia, que vai para vários jardins da ilha do Sal, para também ensinar às crianças uma forma de representação.

Para o diretor artístico do SalEncena, Victor Silva, durante estes dias do festival o público pode apreciar peças teatrais “de qualidade”.

“Evidentemente que vai ser um grande festival, com apresentações tanto em Santa Maria, como nos Espargos, e vale muito a pena participar do SalEncena”, sublinhou.

Para este responsável, é um projeto que já está consolidado e que vai continuar, porque o teatro na ilha do Sal “está de boa saúde”.

Para hoje tem programado peças de teatro dos grupos da Boa Vista e de São Vicente, no sábado sobe ao palco o grupo da Praia, com uma peça sobre Amílcar Cabral, e, no domingo, 16, o grupo da casa Dja D´Sal fecha mais esta edição do Festival Nacional de Teatro com uma peça surpresa.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário

Follow Us