Samba Jó, vencedor do Carnaval da Praia 2024, exige melhores condições nas próximas edições

O grupo do bairro do Palmarejo ainda arrecadou os troféus de Melhor Música, Melhor Carro Alegórico, Mestre Sala, Rainha de Bateria e Rainha do Carnaval.

O Samba Jó é o vencedor pelo segundo ano consecutivo do Carnaval da Praia. Os vencedores foram conhecidos no final da tarde desta sexta-feira, 16, na praça Alexandre Albuquerque, no meio de muita euforia e gritaria por parte dos elementos dos grupos.

O grupo do bairro do Palmarejo ainda levou para casa os troféus de Melhor Música, Melhor Carro Alegórico, Mestre Sala, Rainha de Bateria e Rainha do Carnaval.

Visivelmente emocionado com a conquista, o presidente do grupo João “Jó” Soares disse que o troféu é o resultado de tantas noites mal dormidas, de tanto esforço e de muitas discussões.

“Somos um grupo sacrificado, ensaiamos numa rua calcetada e com lixo, não temos espaço para fazer adereços do carnaval. Utilizamos apenas a residência da minha mãe e uma parte de uma rua. Acho que se criarem condições podemos participar nas próximas edições, mas se não, paramos por aqui”, disse na final da premiação.

Elisete Gomes do grupo Samba Jó foi “coroada” Rainha do Carnaval e levou para casa um montante de 60 mil escudos. Em entrevista ao Balai, Elisete Gomes afirmou estar bastante orgulhosa dos títulos que o grupo Samba Jó ganhou e principalmente por ter vencido a Rainha do Carnaval de 2024. “É um misto de sentimento. (…) Trabalhámos muito para oferecer o melhor de sempre, foi muita adrenalina todos os dias de preparação, estou bastante feliz e com certeza irei participar no próximo ano porque foi um concurso que valeu a pena concorrer”, adiantou.

Já Denilson Monteiro, também do Samba Jó, mostrou-se incrédulo ao vencer o troféu de Mestre Sala e levar para casa um prémio de 20 mil escudos. “Não pensei que iria ganhar este título, visto que havia pessoas com mais experiências em sambar do que eu”.

A mesma fonte realçou que apesar de várias dificuldades, foi para a avenida mostrar aquilo que preparou durante todos os dias de ensaios e disse que o sentimento é de “dever cumprido” e que no próximo ano irá concorrer novamente para trazer para casa o mesmo título.

Vindos d’África, destronado pelo segundo ano consecutivo

O grupo do bairro Craveiro Lopes Vindos d’África ficou em segundo lugar e ainda levou para casa os títulos de Melhor Bateria e de Porta Bandeira.

Em entrevista ao Balai, o presidente José “Breu” Gomes frisou que o grupo já está acostumado com esses resultados, visto que há alguns anos perderam três títulos para o grupo Intervila (Vila Nova) e um para o Estrela da Marinha (Terra Branca). “Na altura não desistimos porque estávamos numa fase de organização. Portanto, viemos num percurso de seis títulos que incomodaram muitas pessoas. Há grupos que acabaram por desaparecer, é o caso do Intervila onde o atual edil da Câmara Municipal da Praia, Francisco Carvalho, era o presidente do grupo e ainda hoje há esse incômodo e é uma forma clara de aniquilar ou de acabar com o Vindos d’África.”

O presidente do Vindos d’ África ficou indignado com a entrega do troféu de Melhor Música para o grupo Samba Jó, alegando que a música de Vindos d’África é que merecia vencer o prémio, visto que retrata “a nossa identidade e foi feita na ilha de Santiago por um filho da ilha”, ao contrário da do Samba Jó que foi feita na ilha de São Vicente e por um mindelense.

Vindos d’África desiste de participar no Carnaval da Praia 2025 alegando falta de condições

José “Breu” Gomes, alega que há um retrocesso no Carnaval da Praia. “Não é porque perdemos, mas vemos que o número de espectadores na avenida diminuiu consideravelmente porque não há condições. (…) Portanto, eu enquanto presidente do Vindos d’África e já fui presidente da Liga do Carnaval da Praia trabalhei muito em prol do Carnaval da Praia, nunca desempenhei nenhum cargo político e nem tenho intenção. O Intervila desapareceu porque todos os elementos da direção do grupo estão na política. Portanto, peço para não politizar o Carnaval porque indo nesse caminho só a Praia que perde.”

Alegando que há falta de condições, o presidente do grupo do Bairro Craveiro Lopes anunciou que o Vindos d’África decidiu não participar no Carnaval da Praia 2025. “Infelizmente é a Praia que perde porque por mais que queiram prejudicar o grupo, o Vindos d’África é uma compilação de jovens de toda a comunidade da Praia, portanto estão a mexer com os jovens da capital. Quando criarem condições voltamos à avenida.”

Pelo segundo ano consecutivo o grupo Vindos do Mar ficou no terceiro lugar e ainda levou para casa o troféu de Rei, que foi para o artista Sos Mucci.

Os jardins e a escola do ensino básico que desfilaram na avenida Cidade de Lisboa também receberam prémios de participação.

O presidente da Câmara Municipal da Praia, Francisco voltou a reforçar a promessa de que em 2025 as condições do Carnaval da Praia serão melhoradas para todos os grupos, nomeadamente a criação de espaços para ensaios e para fazer os andores, bem como o aumento da verba para mais de 1500 contos para cada grupo.

Aline Oliveira e Cidália Semedo (Estagiária)

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Agenda