Jovem cabo-verdiana desistiu dos estudos para seguir sonho de ser confeiteira 

Autodidata e inspirada pelas receitas online, Dainira Gonçalves começou a fazer doces e salgados em casa durante a covid-19. O que começou como uma atividade de lazer se transformou numa paixão e numa fonte de renda estável para a jovem praiense.

Natural da ilha de Santiago, Dainira Gonçalves descobriu a sua paixão pela confeitaria e pastelaria ainda durante a sua adolescência mas esta não fazia parte dos seus planos para o futuro. Antes de se envolver na culinária, Dainira fazia uma Licenciatura em Língua Inglesa em 2018, mas logo percebeu que esta não era a sua verdadeira essência e desistiu do curso.

Foi durante a pandemia da Covid-19, quando o mundo se viu em confinamento que a jovem mergulhou na arte da confeitaria. Em entrevista ao Balai, Dainira conta que começou a ver as receitas online e a pôr em prática. Logo teve sucesso nas suas reproduções e começou a publicar nas suas redes sociais. “A minha primeira receita foi um bolo e recebi muitos elogios dos meus amigos que me motivaram a empreender nesta área. Vi que era o começo da realização do meu sonho, a partir daquele tempo comecei a receber encomendas e a minha carreira como confeiteira e pasteleira começou a ganhar vida”.

Investiu uma quantia de dois mil escudos emprestados pela mãe, e o orçamento da primeira encomenda era de cinco mil escudos, mas mesmo sem recursos não desistiu porque teve a ajuda da progenitora desde o começo. A jovem avançou que hoje é grata por todo o apoio da mãe e que agora com o seu negócio consegue retribuir todo o suporte que recebeu para realizar o sonho.

Após um ano a empreender nesta área e a colher bons frutos, a jovem criou a sua própria empresa e em 2022 registou-a como “Dainira Bakery”. Atualmente conta com uma equipa constituída por outras duas pessoas. “Não tenho formação nesta área e é algo que comecei a praticar por paixão. Comecei a aprender técnicas e habilidades e hoje a qualidade do meu trabalho é do mesmo nível que uma pessoa formada na área. Os meus colaboradores não têm formação também, mas são excelentes profissionais e sempre ajudamos uns aos outros”.

Adiantou fabrica bolos normais e personalizados e faz donuts, cupcake, brigadeiros e salgados, como pastéis, coxinhas, rissóis, pizza, entre outros.

“Trabalho em minha casa que fica em Achada Grande Frente e a dinâmica do meu trabalho funciona a partir de encomendas e entregas na cidade da Praia, no interior da ilha de Santiago e já fiz encomendas para a ilha do Maio e Fogo. A maioria dos serviços que fazemos são kits para festas, nomeadamente aniversários, batizados, casamentos, coffee break, entre outros”, acrescentou.

Dainira diz que empreender e manter um negócio de pé não é fácil porque é preciso ter muita garra para enfrentar e ultrapassar as dificuldades, mas que o importante é não desistir e manter-se sempre resiliente. Acrescentou que se inspira noutros empreendedores porque sabe como é difícil empreender, cumprir com as agendas de entregas e manter a sustentabilidade de um negócio.

Com 23 anos ganhou destaque na área de confeitaria e pastelaria tendo uma boa visibilidade nas redes sociais com a divulgação do seu trabalho. Segundo a jovem, hoje vive só deste negócio mantendo um nível de vida estável. “O segredo é investir sem medo e saber fazer gestão do empreendimento e procurar fornecedores para crescer”.

Para além de ser confeiteira Dainira é mãe, esposa e dona de casa. A mesma explica que às vezes é difícil conciliar estas funções porque há dias que tem muitas encomendas para entregar e o tempo fica escasso para exercer as outras responsabilidades, mas que tenta dar o seu máximo para ter um equilíbrio.

Analisando o seu percurso, a jovem reconhece a evolução e adianta que quando decidiu investir e trabalhar nesta área não sabia absolutamente nada, mas que com “esforço, garra, determinação, pesquisas e foco” agora considera-se uma profissional bastante requisitada na cidade da Praia.

Os materiais e produtos que usa na sua maioria são de Cabo Verde, segundo avança, mas que ultimamente está a utilizar novos produtos de fora, como o glitter que no país é escasso e vende-se a um preço elevado.

A jovem confeiteira de 23 anos diz que o mercado de empreendedorismo em Cabo Verde virado para a área de confeitaria está em alta nos últimos tempos, mas que os profissionais precisam ter bons produtos e ter estratégias para divulgar o seu trabalho.

Sem formação na área, Dainira diz que planeia ainda este ano fazer uma formação profissional de Cake designer para aperfeiçoar as suas habilidades com objetivo de oferecer mais produtos para os clientes. Para além da formação, quer abrir uma confeitaria onde as pessoas poderiam adquirir os seus produtos. 

A jovem aconselha aos que querem seguir os mesmo passos a empreender na área de confeitaria e pastelaria que é desafiador, mas que com paixão, criatividade e força de vontade “tudo vai correr bem”.


Cidália Semedo/ Estagiária

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário

Follow Us