Nancy Oliveira, a confeiteira apaixonada por arte

Quando começou a interessar-se pela área de Cake Design (decoração de bolos) há cerca de 7 anos, a salense Nancy Oliveira não sabia nem fritar um ovo. Atualmente, o seu trabalho tem ganho visibilidade na cidade da Praia quando o assunto é decoração de bolos e, principalmente, bonecos feitos com massa de biscuit.

Nancy Oliveira nasceu na ilha do Sal, mas há cerca de 13 anos reside na Praia, cidade onde tem conquistado o mercado com a sua habilidade na decoração de bolos e, principalmente, de fazer bonecos com massa de biscuit, também conhecida como porcelana fria.

Gosto de tudo o que é arte

A ligação da jovem confeiteira com o mundo da arte começou ainda em criança e depois que engravidou do primeiro filho foi descobrindo novas aptidões.

“Gosto de tudo o que é arte. Pintura, arte dramática, música, dança, modelagem, bolos. O meu interesse pela área vem desde criança quando frequentava a igreja Nazareno. Não sabia que tinha jeito para desenho, bonecos, etc, fui descobrindo com o tempo.”

O interesse pela área de Cake Design surgiu em 2015. Ao folhear uma revista deparou-se com uma imagem de um bolo decorado, apaixonou-se e resolveu colocar as mãos na massa, literalmente.

“Estava em casa com uma filha pequena e não podia sair de casa para trabalhar. (…) Decidi aprender a decorar bolos. Fiz pesquisas na internet e fui aprendendo com o tempo. Na altura, nem sabia fritar um ovo (gargalhada)”, conta e revela que o seu primeiro bolo foi decorado com uma concha de sopa, visto que na altura ainda não existiam materiais no país. “Passava várias horas a alisar um bolo, mas no final dava tudo certo.”

Entretanto, viajou para Portugal para visitar alguns familiares e aproveitou a estadia em terras lusas para fazer um workshop sobre decoração de bolos.

“O meu primeiro boneco – um casal de noivos – em pasta de açúcar foi feito neste workshop. Foi uma experiência boa. O foco era a decoração de bolos, mas a minha paixão sempre foi mais voltada para os bonecos. (…) Aprendi a base e depois fui aperfeiçoando com o tempo”.

Em 2018, matriculou-se no curso de Pastelaria e Panificação na Escola de Hotelaria e Turismo de Cabo Verde (EHTCV), mas não concluiu a formação porque ficou grávida do segundo filho.

Na cidade da Praia, a jovem de 28 anos já trabalhou para várias pastelarias de referência na área como o Pão Quente, Kero – Artes e Bolos e o Atelier Pimentel. Atualmente, trabalha por conta própria em casa e está a pensar em abrir uma pequena confeitaria. “No meu ponto de vista, são as melhores pastelarias de Cabo Verde”, afirma e revela que ainda é solicitada para a produção de bonecos.

Bonecos, da frustração à terapia

A jovem confeiteira confessa que desde que começou a trabalhar na área, a parte que mais gosta é transformar massa de biscuit em verdadeiras obras de arte, algo que tem conquistado o público.

“Faço confeitaria por necessidade financeira. A minha verdadeira paixão são os bonecos. Sou apaixonada pela arte, mas fazer bonecos com massa de biscuit é a minha terapia”, salienta e diz que é uma área bastante promissora desde que haja matéria-prima em Cabo Verde.

Quem vê os bonecos, não imagina que já foram a maior frustração de Nancy.

“Antigamente, não gostava de fazer bonecos porque eram comestíveis, frágeis, não aguentavam altas temperaturas e estragavam-se com facilidade – eram a minha frustração. Depois descobri o biscuit, uma massa barata que é produzida no Brasil. Foi amor à primeira vista, mas (a massa) não é comercializada em Cabo Verde. Só consigo trabalhar com essa massa quando encontro portador, mas a pandemia tem dificultado as coisas e agora compro em Portugal e na Holanda, mas é caro e nem sempre consigo”, conta e diz que a falta de materiais tem sido o seu maior desafio até então.

De acordo com Nancy, o trabalho com os bonecos tem superado as expectativas, tem recebido várias encomendas, mas, devido à falta de massa de biscuit não tem conseguido dar vazão aos pedidos. “Fico admirada com o surgimento de tantos pedidos. Fazia apenas para o uso pessoal e não estava à espera que agradasse outras pessoas.”

A rotina de trabalho de Nancy varia consoante as encomendas. “Quando recebo várias encomendas de bolos não me dedico aos bonecos, porque passo o dia inteiro na cozinha”, explica e afirma que a sua maior fonte de renda são os bolos decorados. “É uma área promissora porque culturalmente no mundo inteiro não existe festa sem bolo. (…) O mercado em Cabo Verde é muito bom.”

…Fazer bolos com três filhos pequenos é complicado

A cake designer tem uma página no Facebook e no Instagram onde divulga os bolos. Os preços variam consoante o tamanho e a decoração. O bolo mais barato – mini bolo – custa 1500 escudos e o mais caro que já fez até o momento – um bolo de casamento – foi de 35 mil escudos.

Questionada sobre como é trabalhar em casa com três crianças pequenas, a jovem empreendedora confessa que é “complicado”.

“Fazer bolos com três filhos pequenos é complicado. Mudei de casa onde os armários de cozinha são altos e agora as crianças já não têm acesso aos bolos. Antes era impossível, estragavam a decoração, esfarelavam a massa, etc. Era complicado, mas agora está mais fácil.”

…Acredito que posso ter uma confeitaria e ser professora de arte de uma forma em geral

No que tange aos planos para o futuro, Nancy pretende fazer um curso de Educação Artística, dar aulas de confeitaria e decoração de bolos na sua residência e dedicar-se as suas artes.

“O meu grande sonho é ser professora de arte e pretendo fazer o curso ainda este ano na Universidade de Cabo Verde. Acredito que posso ter uma confeitaria e ser professora de arte de uma forma em geral”, conclui e diz que de momento está focada na produção de bonecos de biscuit e decoração de cadernos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário

Follow Us