“Nha Menstruação” e “Nha Pumbinha”, duas iniciativas que lutam contra a pobreza menstrual em Cabo Verde

Segundo um estudo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), uma em cada 10 meninas no mundo deixa de ir à escola quando está menstruada e Cabo Verde não é exceção. O Balai esteve à conversa com as mentoras da campanha “Nha Menstruação” e com a mentora da Nha Pumbinha, duas iniciativas de cabo-verdianas que lutam por uma melhor higiene menstrual no país.

A falta de acesso a produtos de higiene no período da menstruação é um problema social que afeta meninas e mulheres, em situação de vulnerabilidade, em Cabo Verde. No início da pandemia da Covid-19 foram lançados duas iniciativas que visam combater a pobreza menstrual, bem como facilitar o acesso aos pensos higiénicos reutilizáveis: a “Nha Menstruação”, do projeto da Womenise.it, e “Nha Pumbinha”, da mindelense Lara Amado.

“Criamos a campanha ‘Nha Menstruação’ em março de 2020. Com o impacto da pandemia sentimos a necessidade de ajudar as mulheres mais pobres que não têm acesso aos pensos higiénicos”, dizem as embaixadoras do projeto de empoderamento feminino em Cabo Verde “Womenise.it”, Sandra Lima e Ekvity dos Santos.

A marca de absorventes reutilizáveis “Nha Pumbinha”, da jovem Lara Amado, também surgiu no início da pandemia. “Comecei a produzir para uso pessoal e para as minhas amigas, obtive um resultado positivo e as minhas amigas começaram a incentivar-me a produzir para venda e hoje já recebo pedidos de várias ilhas e até mesmo da diáspora”, diz a mentora.

Além de combater a pobreza menstrual, Ekvity diz que a Womenise.it pretende também acabar com a falta de informação à volta do assunto, para que as meninas possam ter “uma menstruação digna e sem tabus”.

Tem sido uma grande luta sensibilizar as mulheres a utilizar pensos reutilizáveis”

Ambos os projetos se têm deparado com várias dificuldades nessa luta. Sandra Lima e Ekvity dos Santos revelam que as maiores dificuldades do projeto “Nha Menstruação” são a nível económico bem como para encontrar parceiros que acreditem e abracem a causa.

“Também tem sido uma grande luta sensibilizar as mulheres a utilizarem pensos reutilizáveis”.

Já para a mentora de “Nha Pumbinha”, o maior desafio tem sido conseguir um certificado qualidade para os pensos que faz, pois, segundo explica, em Cabo Verde não há uma legislação específica para esse mercado.

Trabalhar com parceiros a pensar no futuro

Além de distribuir pensos higiénicos, as embaixadoras da campanha “Nha Menstruação” almejam lançar um livro que aborda a pobreza menstrual numa linguagem mais informal, bem como realizar um congresso na ilha de Santiago com profissionais da área como forma de transmitir a mensagem a mais pessoas. “Queremos que todas as meninas e mulheres do país tenham acesso a pensos higiénicos de forma gratuita”, diz Sandra Lima.

De acordo com a mesma fonte, a campanha está dividida em três fases. A primeira foi chegar às escolas e abordar a educação menstrual, dar às alunas o acesso a produtos de higiene sustentáveis e económicos.

Na segunda fase, pretende-se trabalhar junto às escolas na criação de espaços seguros para as meninas nas escolas, nomeadamente casas de banho limpas e seguras porque “muitas vezes as condições das casas de banho não são favoráveis às meninas sobretudo no período menstrual e queremos que isso mude”.

Já na terceira fase, pretendem produzir um livro que explica o processo menstrual.

A maior ambição de Lara Amado, criadora de “Nha Pumbinha”, é promover a consciencialização do impacto ambiental causado por absorventes descartáveis, fazer com que as mulheres conheçam as vantagens dos absorventes reutilizáveis e promover o produto para que maior número de mulheres possível possa consumi-los, devido ao “impacto positivo tanto na natureza, na saúde sexual da mulher e nos bolsos”.

A mentora de Nha Pumbinha, tem recorrido às redes sociais para abordar o tema e já ofereceu vários pensos reutilizáveis nas ilhas do Sal e de São Vicente e pretende expandir o projeto para outros países.

“Estou a trabalhar num projeto juntamente com a cantora Fattu Djakité para combater à pobreza menstrual também na Guiné-Bissau”, revela Lara.

A Womenise.it também tem apostado nas redes sociais para dar palestras, entrevistas e realizar conversas abertas sobre o tema. Sandra Lima e Ekvity dos Santos revelaram ao Balai que desde o início da campanha já distribuíram cerca de 1700 kits de pensos reutilizáveis nas ilhas de São Nicolau, Santiago e Fogo com o apoio das empresas e parceiros.

A Womenise.it trabalha em parceria com a marca Shanna, que produz os pensos higiénicos reutilizáveis, com o Ministério de Educação e das respetivas delegações, com o Banco BAI, com a OMCV, a Morabi e a SOLmi, e pretendem fechar uma parceria com KPA que é uma associação profissional de mulheres cabo-verdianas que residem nos EUA.

As mentoras da “Nha Menstruação” criaram igualmente uma campanha na plataforma GoFundMe onde que as pessoas podem fazer as suas doações, com intuito de combater as situações em que as jovens mulheres se vem limitadas por não terem meios financeiros para pagar produtos higiénicos, principalmente no meio escolar.

Segundo as mentoras de ambos os projetos, as campanhas têm obtido o resultado pretendido e deixam um incentivo para que todas as mulheres usem pensos higiénicos reutilizáveis em prol da saúde e do meio ambiente.

Rosiane Sales/Estagiária

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário

Follow Us