Obesidade em Cabo Verde começa a preocupar, revela nutricionista

A obesidade é uma doença crónica com importante impacto na saúde pública e que em Cabo Verde começa a preocupar as autoridades sanitárias, tendo em conta o consumo excessivo de alimentos industrializados.

A informação é da nutricionista Doralene da Cruz em declarações à Inforpress, a propósito do Dia Mundial da Obesidade que se assinala hoje, 04 de Março, com o objectivo de incentivar soluções práticas para ajudar as pessoas a alcançar e manter um peso saudável.

“Em Cabo Verde a obesidade já é um facto nas pessoas adultas, adolescentes e crianças”, disse a nutricionista que alerta às pessoas a terem maior consciência do que comem, particularmente, os alimentos industrializados.

Por estar a transformar-se em algo “preocupante”, a médica admite a necessidade de se promover mais campanhas de ensino alimentar para que a população possa mudar o seu comportamento face aos alimentos que engordam.

Fazendo isso, segundo disse, o País estará a investir nos mais pequenos que terão um outro “olhar” para com os alimentos mais saudáveis e para um bom funcionamento do organismo.

“A nossa alimentação é a chave de tudo, visto que ajuda na prevenção das doenças. Nesta base, é primordial que façamos uma alimentação saudável para podermos estar saudáveis”, indica, reiterando uma vez mais que em Cabo Verde está cada vez mais a aumentar a prevalência de pessoas com sobrepeso.

A nutricionista recomendou, neste sentido, as pessoas a cuidarem mais da sua saúde, optando por um estilo de vida mais saudável em todas as fases de crescimento, de acordo com as necessidades das mesmas, lembrando que a alimentação é a base de tudo.

Isso porque, segundo disse, a má alimentação, o sedentarismo, factores endócrinos e genéticos são factores que contribuem para a obesidade e o excesso de peso, uma vez que a adopção de hábitos saudáveis pode evitar o excesso de peso e as enfermidades desencadeadas pela obesidade.

Em Cabo Verde, conforme o IIº Inquérito de Doenças Não Transmissíveis (IDNT II), realizado em 2020, 44,2% dos adultos apresentam excesso de peso e obesidade, e 14,3% estão já na obesidade.

O INDT II não incidiu sobre as crianças e adolescentes, tendo como objecto de estudo a população dos 18 aos 69 anos. Porém é possível encontrar dados da infância no “Estado Nutricional da População Cabo-verdiana – Avaliação Antro­pométrica”, resultante do Inquérito às Despesas e Receitas Familiares, 2015, lançado pelo Instituto Nacional de Estatística em 2018.

Segundo esse relatório estatístico, 18% das crianças com menos de 5 anos já apresentavam risco de sobrepeso e 9% já estavam com pré-obesidade.

A efeméride foi criada pela Federação Mundial da Obesidade e tem como propósito transformar a data num dia de acção unificada que exige uma resposta coesa e intersectorial à crise da obesidade no mundo.

A obesidade é um problema global e afecta 800 milhões de pessoas, havendo mais milhões em risco.

 

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest