Yara Monteiro, a arquiteta que se apaixonou pela aguarela

Doze pinturas que expressam o sagrado feminino e estão ilustradas na agenda Femia são o primeiro projeto artístico da cabo-verdiana Yara Monteiro, arquiteta formada na China.

Apesar de ser formada em Arquitetura, as primeiras experiências de Yara Monteiro com o Desenho e Pintura surgiram na China, onde começou a estudar em 2014. Depois de aprender mandarim durante um ano, a jovem cabo-verdiana foi aceite na Academia Central de Belas Artes de Beijing – (Central Academy of Fine Arts CAFA) onde se formou em 2021.

Mesmo tendo sido uma experiência incrível, no início, estudar na China foi um enorme ‘choque cultural’. “Não conseguia enturmar-me com outros colegas, mas depois não tive outra escolha até porque eu era a única cabo-verdiana da minha turma de mandarim e a mais nova”.

Entretanto, acabou por fazer bons amigos e colegas, principalmente em Pequim, na CAFA.

Yara salienta que teve oportunidade de conhecer a China, inclusive outras cidades para além de Beijing (Pequim), através do olhar dos seus colegas. “Foi uma experiência única”.

 

Entrar na Academia Central de Belas Artes de Beijing (CAFA) foi um desafio, recorda a cabo-verdiana. Se por um lado tinha facilidade com as aulas na CAFA que eram na sua maioria lecionadas em inglês, por outro precisou do suporte dos colegas com as disciplinas mais artísticas, como o Desenho e a Pintura.

“Os meus colegas davam-me aulas extra de Pintura e Desenho e foi aí que vim a descobrir o gosto pelo desenho. O meu lado artístico nunca tinha sido explorado até entrar na CAFA”.

“Os chineses gostam muito de aguarela e foi um colega chinês que me ensinou a trabalhar com este tipo de pintura e acho que é assim que consigo representar a influência da China na minha arte”.

Deixou a China em fevereiro de 2020 devido ao início da pandemia e seguiu para a Europa, por motivos familiares. Na Itália, enquanto prosseguia as aulas online, começou a fabricar os primeiros vasos de cimento. Seguiu para Portugal, onde continuou com a empreitada dos vasos.

De regresso a Cabo Verde desde fevereiro do ano passado, Yara teve de se concentrar exclusivamente no projeto final do curso para a apresentação online e em junho de 2021 obteve o grau em Arquitetura e Design de Interiores.

Foi só depois da apresentação que a jovem retomou a produção de vasos em cimento e chegou a lançar uma coleção ao lado da amiga e também ela antiga estudante na China, Denise Timas, mentora da marca Lar.Zhu.

Foi a partir dessa coleção que Yara recebeu o convite das promotoras da marca cabo-verdiana Lipsticky, Ekvity dos Santos e Cláudia Rodrigues, para expor os seus vasinhos na loja da marca.

Mais tarde, surgiu o desafio de colaborar com as suas pinturas de aguarela no projeto de agendas Femia. “Foi um choque, porque a pintura para mim é só um hobby e nunca pensei em algo profissional, nem em vende-las. Foi um desafio e agradeço o convite”, diz a jovem arquiteta e explica que a ideia foi expressar o sagrado feminino através das pinturas.

Assim surgia o primeiro projeto artístico de Yara que resultou em 12 pinturas que, além de ilustrar a agenda, foram expostas e vendidas na loja.

Atualmente está a desenvolver um novo projeto artístico com a Lipsticky, mas na área social, e que deve ser apresentado ao público ainda este ano. “Quero continuar a fazer as minhas pinturas, a fazer exposições e a explorar a minha capacidade na área artística”.

Arquiteta de formação e com um estágio de dois meses na área, Yara enveredou por outra área profissional e desde dezembro de 2021 trabalha numa empresa de tecnologia, mas diz que não se arrepende de ter tomado essa decisão, afinal a atual experiência laboral é “outra forma de aprendizado” e salienta que esta decisão não é definitiva.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário

Follow Us