A propaganda de guerra de Putin em África

A RT, emissora estatal russa proibida na Europa e no Canadá desde a invasão da Ucrânia, instala-se na África do Sul e procura aliados em África. Máquina de propaganda do Kremlin ainda é limitada, mas ganha velocidade.

É apenas uma questão de tempo para que mais propaganda russa seja transmitida a partir da metrópole empresarial sul-africana de Joanesburgo. A RT, anteriormente conhecida como emissora estatal russa Russia Today, quer instalar a primeira sede em língua inglesa do continente africano na cidade de Joanesburgo.

A sul-africana MultiChoice, que gere um importante serviço de televisão por satélite na África subsaariana, também se fechou às emissoras estrangeiras russas, uma semana após o início da guerra na Ucrânia.

Assim, a propaganda russa ficou limitada no continente, excepto em países africanos que ainda têm velhos laços com Moscovo desde os tempos da União Soviética – incluindo a África do Sul.

“Vivemos uma época em que o governo do apartheid não tolerava jornalistas que julgava ser demasiado críticos, ou que relatavam coisas que não queriam, e expulsou uma série deles. Não queremos voltar a ver nada do género”, afirma Anton Harber, professor de jornalismo na Universidade de Witwatersrand de Joanesburgo.

Ao mesmo tempo, Harber adverte o quão perigosa pode ser a propaganda quando as pessoas não se preocupam com os factos e deixam de ter um olhar crítico.

Reação dos meios de comunicação social

Como está a decorrer a campanha de desinformação do Kremlin no continente e como é que os meios de comunicação social estão a reagir?

“Alguns são bastante indiferentes, outros são muito explícitos nas suas críticas à guerra de agressão russa contra a Ucrânia. Não há um movimento de massas e os debates diferem de país para país”, responde Christoph Plate, da Fundação Konrad Adenauer em Joanesburgo.

Plate exemplifica que as pessoas no Quénia e na Nigéria estão muito mais esclarecidas sobre as causas da guerra na Ucrânia, devido a uma sociedade civil crítica e muito ativa nas redes sociais.

“Nas ruas, as pessoas não estão assim tão interessadas na guerra, que está muito longe. Mas entre jornalistas, diplomatas e funcionários governamentais, esta guerra está a ser fortemente discutida”, nota.

Muitas embaixadas russas em África são muito ativas na publicação de informações falsas ou na colocação de artigos de opinião nos jornais para promover a narrativa russa em África contra a narrativa ocidental.

Os laços antigos, reativados na sequência da política da Rússia para África, estão a ajudar. “Houve cooperação militar durante a era soviética e foram concedidas milhares e milhares de bolsas de estudo a estudantes de países africanos”, lembra Plate.

Impacto mediático difícil de avaliar

De acordo com Guido Lanfranchi, do Instituto Holandês de Relações Internacionais, a campanha dos media russos faz parte da estratégia de Vladimir Putin para obter mais poder no continente: “Esta ofensiva de encanto mediático está relacionada com os esforços da Rússia para expandir novamente a sua presença no continente.”

Mesmo sem ainda ser muito claro o impacto mediático desta propaganda sobre a população africana, Lanfranchi refere que há provas que “sugerem que um número crescente de pessoas em África tem acesso a estes meios de comunicação e que isto influencia positivamente a sua perceção da Rússia.”

Porém, acrescenta, “o impacto real é difícil de avaliar, porque não há estudos concretos nesta área”.

A influência da Rússia é significativa na área da cooperação em matéria de segurança. Com 44%, a Rússia é o maior exportador de armas em África. Mas “a presença da Rússia em África está a crescer muito rapidamente em todas as áreas”, sublinha Guido Lanfranch.

“A rutura das relações entre Moscovo e o Ocidente poderia acelerar esta tendência, à medida que a Rússia procura novos aliados a nível internacional, pelo que poderíamos ver uma presença russa mais forte no continente no futuro”, conclui.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário

Follow Us