Alunos do liceu no Sal na pele de “Soldado por um dia”

Os alunos do Liceu Olavo Moniz, no Sal, estiveram hoje na pele de “Soldado por um dia”, actividade programada no âmbito das celebrações do Dia da Defesa Nacional, assinalado a 6 de Novembro.

O Comando da Segunda Região Militar, associando-se às atividades delineadas a nível nacional, em celebração da efeméride, leva a cabo um conjunto de ações, nomeadamente o programa “Soldado Por um Dia”.

Uma Feira de Saúde, com lugar na Praça 12 de Setembro, nos Espargos, e demonstração das técnicas militares, são outras atividades desenvolvidas com o propósito de manter uma relação de proximidade com a comunidade local

O cumprimento do programa para assinalar o Dia da Defesa Nacional começou de manhã, envolvendo um grupo de 55 alunos do liceu Olavo Moniz, que se transformaram em soldados por um dia.
“Soldado por um dia” é um programa que pretende mostrar aos jovens alunos aquilo que é a vivência de um militar no quartel.

Desde as 06:00, rapazes e meninas colocaram os pés no chão, experimentando o que é ser um militar, participando em todas as tarefas diárias que um soldado exerce no seu dia-a-dia no quartel.

Depois de assistirem a uma aula moral, cívica e militar, Diego e Martina, alunos do 11º ano do liceu Olavo Moniz, manifestaram satisfação e interesse, desde logo, pela vida militar.

“Gosto das tropas, da vida militar. Acho atraente e curioso. Quando levaram esta proposta de participação no programa Soldado por um dia, fui o primeiro a levantar as mãos”, conta Diego, entre risos.

Para Martina foi também uma experiência interessante, completando que faz mudar a mentalidade das pessoas e conhecer melhor a vida de um soldado dentro do quartel.

“Ser soldado por um dia permitiu-me conhecer aquilo que é a vivência dentro dos quartéis. Foi uma experiência interessante. O meu pai foi tropa… acho que isso já despertou o bichinho em mim”, comentou.

No final, o comandante da Segunda Região Militar, Major Álvaro Flor da Luz, reiterou que trazer os alunos para dentro do quartel, e as atividades das FA para junto da comunidade, é uma forma de proximidade, já que as Forças Armadas também fazem parte da sociedade.

“A ideia é que os alunos, na faixa etária antes do serviço militar sintam na pele, aquilo que é a vivência nos quartéis. É uma forma de estabelecer uma relação de proximidade. Tudo o que acontece de bom na sociedade reflete-se nas Forças Armadas, de igual modo, tudo o que acontece de menos bom, também reflecte-se dentro das Forças Armadas”, concluiu.

No domingo, 06, Dia da Defesa Nacional, reserva-se um desfile militar que começa no Comando Regional da Polícia, na avenida do Morro Curral, devendo terminar no quartel.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest