Antisemitismo em destaque na campanha eleitoral francesa

As preocupações vieram ao de cima depois de dois adolescentes de um subúrbio de Paris terem sido acusados, esta semana, de violação de uma rapariga de 12 anos e de violência motivada pela religião.

A alegada violação de uma menina judia de 12 anos num suposto ataque antissemita provocou ondas de choque em toda a França e colocou as preocupações com o antissemitismo na linha da frente da campanha para as eleições legislativas do país.

As preocupações vieram ao de cima depois de dois adolescentes de um subúrbio de Paris terem sido acusados, esta semana, de violação de uma rapariga de 12 anos e de violência motivada pela religião, segundo o Ministério Público. O advogado e líder judeu Elie Korchia disse à emissora francesa BFM que a rapariga é judia e que a palavra Palestina foi mencionada durante o ataque. O gabinete do procurador não especificou a religião da rapariga nem divulgou a sua identidade, de acordo com as políticas de proteção das vítimas, como é prática corrente nos crimes de ódio em França.

Centenas de pessoas reuniram-se na quinta-feira à noite em torno do monumento da Bastilha, em Paris, para protestar contra o antissemitismo, na segunda noite consecutiva de manifestações.

Políticos de todos os quadrantes não tardaram a comentar o ataque, nomeadamente após o aumento dos actos anti-semitas em França desde o início da guerra entre Israel e o Hamas.

Reações de todos os quadrantes

O primeiro-ministro francês, Gabriel Attal, escreveu na rede social X que a rapariga foi “violada porque é judia”, enquanto o Presidente francês, Emmanuel Macron, apelou às escolas para que realizassem uma “hora de debate” sobre o racismo e o antissemitismo.

Arié Alimi, advogado e vice-presidente da Liga dos Direitos Humanos, apelou a uma frente unida contra a extrema-direita.

Embora a alegada violação tenha aumentado as tensões em relação ao antisemitismo em França, antes das eleições legislativas de 30 de junho e 7 de julho, está longe de ser uma questão nova na política francesa.

Em novembro, mais de 180.000 pessoas marcharam por toda a França para protestar contra o aumento do antissemitismo, na sequência da guerra de Israel contra o Hamas em Gaza.

O partido anti-imigração Rally Nacional, que tem tentado desfazer-se de ligações históricas ao antissemitismo, está a liderar as sondagens pré-eleitorais e tem a primeira oportunidade real de formar governo, se vencer as eleições a duas voltas que terminam a 7 de julho. Seria a primeira força de extrema-direita a liderar um governo francês desde a ocupação nazi.

As figuras de extrema-esquerda, entretanto, têm enfrentado acusações de antissemitismo relacionadas com a sua reação ao ataque do Hamas a Israel, a 7 de outubro, e à guerra que se seguiu.

A França tem a maior população judaica da Europa, mas como resultado da sua própria colaboração com os nazis durante a Segunda Guerra Mundial, os actos anti-semitas abrem hoje velhas cicatrizes. A França tem também a maior população muçulmana da Europa Ocidental, e os actos anti-muçulmanos têm aumentado nos últimos anos.

O antissemitismo refere-se ao ódio aos judeus, mas não existe uma definição universalmente aceite sobre o que implica exatamente ou como se relaciona com as críticas a Israel. O Governo israelita acusa regularmente os seus opositores de antisemitismo, enquanto os críticos afirmam que utiliza o termo para silenciar a oposição às suas políticas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest