António Guterres fala em justiça para países como Cabo Verde deixarem de pagar pelas mudanças climáticas

O secretário-geral da Nações Unidas, António Guterres, assegurou hoje, no Mindelo, que é preciso “justiça” para que países como Cabo Verde que nada fizeram pelas mudanças climáticas parem de pagar por elas.

O responsável da Organização das Nações Unidas (ONU) teceu as considerações na sequência de um encontro com o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, seguido de uma conferência de imprensa, e que se enquadra na programação da regata Ocean Race.

“Precisamos de justiça para que aqueles como Cabo Verde que nada fizeram pelas mudanças climáticas param de pagar por elas”, exortou a mesma fonte, para quem o País tem demonstrado um “interesse climático em palavras e acções”, descritos, por exemplo, na intenção em atingir os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e investimento na economia azul

António Guterres, que também teve tempo para agradecer pela “forma calorosa” como é sempre recebido no arquipélago desde que era primeiro-ministro de Portugal, disse aguardar com expectativa a possibilidade de trabalhar com o Governo e povo cabo-verdiano para “trazer essa ambição à realidade”.

“Estou mais determinado do que nunca em tentar fazer de 2023 um ponto de viragem para as pessoas e para os países”, assegurou, indicando como pretensão promover a paz e a segurança, os ODS, a estabilidade e combater a crise climática.

Por “tudo isso e muito mais”, António Guterres disse estar “profundamente agradecido” por ter Cabo Verde como um “parceiro fundamental”, que “ajuda a construir um caminho para um mundo mais justo e mais sustentável”.

Instado se ainda não há uma consciência dos países mais ricos para financiarem países mais pobres afectados pelas mudanças climáticas, o secretário-geral afiançou haver uma consciência, mas que “ainda não há uma acção suficientemente eficaz”.

A mesma fonte apontou como exemplo o não desbloqueio dos seis mil milhões de dólares anuais dos países mais desenvolvidos, que deveria ter começado em 2020, mas até agora não aconteceu, os estudos de adaptação, o Fundo Verde, que “tem funcionado com uma grande ineficácia”.

“Há todo um conjunto de reformas essenciais a fazer e o mundo tem sido lento em o reconhecer e mais lento ainda em o executar”, advogou a mesma fonte.

Questionado ainda pela imprensa, António Guterres considerou que a intenção de Cabo Verde de querer erradicar a pobreza extrema até 2026 corresponde a uma visão estratégica que é “inteiramente coincidente” com a visão das Nações Unidas.

Isto quando, sublinhou, neste momento está-se a assistir a um aumento das despesas militares visto como “mais um factor que está a limitar o financiamento dos países desenvolvidos e que precisa acabar em breve”.

O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, por seu lado, agradeceu o comprometimento do secretário-geral da ONU para com os estados insulares como Cabo Verde, que têm tentado aumentar a sua capacidade de resiliência em relação às mudanças climáticas.

O chefe do Governo aproveitou a ocasião para lembrar os “momentos difíceis” vividos pelo País devido às crises despoletadas pela seca nacional, pandemia da covid-19 e guerra na Ucrânia.

Mesmo assim, conforme a mesma fonte, o País tem dado “boas respostas” e, daí, ter conseguido fazer a economia crescer em 2022 “entre 8 a 12%”.

“Significa que antecipamos e muito aquilo que seria a recuperação em 2020”, considerou Ulisses Correia e Silva.

O primeiro-ministro e o secretário-geral da ONU, após o encontro, efectuaram uma visita ao Ocean Live Park, e de seguida António Guterres seria o convidado da `Prime Minister Speaker Series´.

No domingo, 22, António Guterres segue para Santo Antão para uma agenda de trabalho na ilha e na segunda-feira, 23, estará de novo Mindelo como um dos convidados da Cimeira dos Oceanos do Mindelo, enquadrada na recepção da regata Ocean Race.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest