Associação dos Municípios vai lançar empréstimo obrigacionista para financiar obras do PRRA

O presidente da Associação Nacional do Municípios de Cabo Verde (ANMCV) anunciou hoje que a organização vai lançar um empréstimo obrigacionista junto da Bolsa de Valores de Cabo Verde (BCV) para financiar as obras do PRRA.

O também presidente da Câmara Municipal de São Miguel, Herménio Fernandes, falava à imprensa à margem da I reunião extraordinária do 8º mandato da organização para deliberar sobre a proposta, realizada na manhã de hoje em Calheta, São Miguel, no interior de Santiago.

O empréstimo, conforme explicou o autarca, é para financiar obras no âmbito do Programa de Requalificação, Reabilitação e Acessibilidades (PRRA), cujos contratos foram assinados entre as câmaras municipais e o Governo, dos quais foram desembolsados apenas 30 por cento (%) desses contratos.

“Com a vinda da pandemia o Governo não conseguiu desembolsar os restantes 70% dos contratos para a reabilitação das habitações das famílias vulneráveis, as obras de requalificação urbana e ambiental nos municípios, bem como as obras de desencravamento das localidades”, esclareceu.

“Com a crise sanitária, económica e social, o País perdeu receitas, o Governo ficou impedido de cumprir com as transferências que faltam por desembolsar”, acrescentou o presidente do Conselho Directivo da ANMCV.

A mesma fonte lembrou que o Governo, em sede do Orçamento Rectificativo, tentou fazer a alteração do limite do envidamento para permitir que o Executivo recorresse a um financiamento para garantir o pagamento desses contratos, mas, que, no entanto, foi “chumbado” no Parlamento pela oposição, neste particular o PAICV.

Por isso, acrescentou que os municípios ficaram “prejudicados” com o “chumbo” por parte do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição).

Entretanto, segundo o presidente da ANMCV, mesmo com este chumbo que prejudicou os municípios, estes não “cruzaram os braços” perante tal situação e desafios, e decidiram avançar com esta operação junto da BCV para que possam financiar em cerca de 920 mil contos as obras já concluídas, em curso, paralisadas e outras que ainda nem sequer iniciaram.

Tal montante, avançou, vai garantir a transferência para os 22 municípios para que sejam pagas as facturas das obras que já foram executadas.

“Esta é uma operação normal e vai permitir que criemos uma conta conjunta entre a ANMCV e as Infra-estruturas de Cabo Verde (ICV) para, de facto, garantir o pagamento integral desses contratos”, assegurou Herménio Fernandes.

Por sua vez, a secretária de Estado do Fomento Empresarial, Adalgisa Vaz, que presidiu ao acto, em representação do Governo, explicou que por se tratar de um veículo privado, que o mesmo não vai contar com garantia e nem aval do Estado.

Esta operação, segundo a governante, vai ajudar os municípios, através da ANMCV, mobilizar recursos junto da BCV para que possam encontrar uma “solução” para “acelerar” as obras do PRRA, garantindo assim previamente os recursos para o efeito.

Conforme explicou Adalgisa Vaz, se uma câmara entrar neste processo não poderá deixá-lo para não comprometer esta operação, cujo prazo de liquidação das obrigações é de cinco anos, e a taxa de juros a se negociar está entre 3,5% e 4%.

O encontro contou com a participação dos membros da ANMCV por videoconferência e presencial, e a proposta para autorização da mobilização de recurso junto da BCV, na modalidade de emissão de obrigações foi aprovada por unanimidade dos presentes.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest