Austelino Correia considera que Cabo Verde e Costa do Marfim podem ajudar a relevar os desafios de África

O presidente da Assembleia Nacional considerou hoje que Cabo Verde e Costa do Marfim podem ajudar a relevar os desafios do continente, com criação de espaços de diálogo e concertação na promoção da democracia e boa governança.

Austelino Correia, que intervinha na sessão solene especial de boas-vindas ao presidente da Assembleia Nacional da Costa do Marfim, Adama Bictogo, que chefia uma delegação parlamentar para uma visita de dois dias a Cabo Verde, realçou que, em conjunto, os dois países podem contribuir também para o fortalecimento institucional da CEDEAO.

Austelino Correia, que realçou a importância desta visita para o reforço da cooperação entre as duas nações, sublinhou que a mesma se baseia no aprofundamento do conhecimento mútuo, na confiança pessoal e institucional, na partilha de interesses e na identificação de campos de atuação comuns e ações de trocas a nível dos países, mas também a níveis sub-regional, continental e global.

Realçou que os dois países são promotores e defensores da liberdade e da democracia, dos direitos humanos e do estado de direito, potenciam a iniciativa privada, partilham o desígnio de construir sociedades “dignas e prósperas” para os seus cidadãos e o sonho de uma África “pujante, dinâmica, solidária, unida, democrática e livre”.

Na mesma linha, almejam uma África que vá para além do reservatório de matérias-primas e recursos de baixo custo e seja um continente determinante é considerada na geopolítica global.

“Um espaço de livre circulação de pessoas e bens e serviços, um enorme mercado com potencialidades e recursos para potenciar a industrialização, o comércio, o emprego e a comunicação, em prol do desenvolvimento sustentável e da felicidade para todos os seus habitantes, mas que infelizmente enfrenta ainda enormes desafios como a segurança, a estabilidade política, os transportes e as comunicações, a educação, a pobreza, entre outros”, apontou.

Neste sentido, defendeu que é preciso apostar no reforço das relações bilaterais e da confiança institucional entre os dois Estados, nas relações pessoais entre os dirigentes, sempre com a necessária clarividência que são as instituições que tornam as relações perenes e permitem a verdadeira aproximação entre os povos.

No seu entender, para que as sociedades identifiquem e construam interesses comuns, é necessário ter de ter transportes regulares a ligar os dois países, e cabe aos poderes públicos promover e incentivar o aparecimento de meios de imobilidade, tanto aéreos como marítimos, que liguem praia a Abidjan.

A nível parlamentar, adiantou que os dois países vão assinar ainda esta manhã, o memorando de entendimento que vai servir de base para uma cooperação e troca de experiências mais permanentes e sistematizadas de uma versão entre as casas parlamentares.

Os compromissos nele assumidos deverão dar lugar, tão breve quanto possível, indicou, a um programa de cooperação entre os serviços e instituições parlamentares competentes.

Serão criadas também as condições para uma melhor concertação nos foros internacionais, nomeadamente a União Interparlamentar, Parlamento Pan-Africano, da CEDEAO e na Assembleia Parlamentar da Francofonia.

Adama Bictogo, foi ainda recebido na manhã de hoje pelo Presidente da República, José Maria Neves.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest