Cabo Verde e AIEA com acordo na capacitação em ciência e tecnologia nuclear e tratamento de doenças oncológicas

Cabo Verde estabeleceu dois acordos de cooperação com a Agência Internacional da Energia Atómica (AIEA), no âmbito do tratamento de doenças oncológicas, na fase pioneira da introdução da radioatividade no país, e capacitação em ciência e tecnologia nuclear.

O acordo foi rubricado hoje pela secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Miryan Vieira, e pelo diretor do departamento África da AIEA, Michel Edwer, no Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Na ocasião, Miryan Vieira afirmou que para o Governo é “muita satisfação” acolher esta primeira missão, logo após a adesão de Cabo Verde à referida agência, formalizado este ano.

“Para nós é importante estabelecer uma cooperação técnica, sobretudo, numa fase pioneira da introdução da radioatividade aqui no país, como sabem, uma das razões que levou o Governo a aderir a Agência Internacional da Energia Atómica foi basicamente dar resposta a uma necessidade que nós temos no tratamento de doenças oncológicas, com a introdução de unidades de radioterapia nos serviços hospitalares”, sublinhou.

Basicamente, explicou, os dois acordos relacionam-se com a capacitação técnica das instituições nacionais para que possam também preencher os requisitos de salvaguarda com o uso da radioatividade, enquanto algo inovador no país.

“E precisamos de facto ter pessoas capacitadas, instituições que detenham o real conhecimento daquilo que é a radioatividade, e a energia. Portanto, basicamente será a assistência técnica que iremos ter por parte, não só da própria agência, mas também, nós temos a preocupação de cumprir as medidas de salvaguarda que são incitadas e definidas pela própria AIEA”, reforçou.

Para Miryan Vieira é importante também que Cabo Verde venha a implementar ações que tem a ver com a promoção da ciência e tecnologia nuclear no país, daí a assinatura de acordo também nesta matéria.

“Como sabeis a ciência e a tecnologia nuclear tem benefícios para a realização do desenvolvimento sustentável, não somente no sector da saúde, mas também no sector da agricultura, água, na questão da preservação dos recursos marinhos”, disse, acrescentando que com estes dois acordos esperam que o arquipélago venha a ter expertises em matéria da energia nuclear.

A anteceder a assinatura do protocolo, a secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros manteve um encontro com a delegação da AIEA, com o objetivo, avançou, de discutir o ciclo bienal de cooperação técnica 2026-2027, que terá início em Janeiro de 2024.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest