Covid-19: Coreia do Sul regista dia com maior número de mortes

A Coreia do Sul registou hoje 293 mortes atribuídas à covid-19 nas últimas 24 horas, o valor mais elevado desde o início da pandemia, com o país a enfrentar um aumento recorde de casos.

Apesar do número de pacientes em situação grave ou crítica ter também atingido um novo máximo, 1.196, as autoridades de saúde disseram que a resposta médica da Coreia do Sul permanece estável.

Depois de esforços para expandir os recursos, mais de 30% das unidades de cuidados intensivos designadas para o tratamento de covid-19 estão ainda disponíveis, sublinharam as autoridades.

Mas o Governo sul-coreano indicou esperar que a pressão sobre o sistema hospitalar aumente nas próximas semanas, considerando os intervalos de tempo entre infecções, hospitalizações e mortes.

“Prevemos que o número [de casos graves ou críticos] cresça para cerca de dois mil. Estamos a preparar a nossa resposta médica para isso”, disse um responsável do Ministério da Saúde Park Hyang, em conferência de imprensa.

A Coreia do Sul registou uma média diária de cerca de 337 mil novos casos nos últimos sete dias, incluindo 362.283 na terça-feira, representando um aumento de mais de 80 vezes em relação aos níveis observados em meados de Janeiro, quando a variante Ómicron se tornou dominante.

O número de casos registados no país é actualmente superior a 7,2 milhões, com 6,4 milhões de infecções desde Fevereiro.

Park Hyang disse que o país tem tido níveis mais baixos de mortalidade do que nos Estados Unidos e na Europa graças às altas taxas de vacinação.

Mais de 62% dos sul-coreanos já receberam doses de reforço e as autoridades vão começar, no final de Março, a distribuir vacinas para crianças entre 5 e 11 anos.

Desde o início da pandemia da covid-19, o país registou 17,6 mortes ligadas à doença por 100 mil habitantes, em comparação com 285,5 mortes nos EUA e 237,5 no Reino Unido, de acordo com a Agência de Controle e Prevenção de Doenças sul-coreana, (KDCA, na sigla em inglês).

A variante Ómicron obrigou a Coreia do Sul a abandonar uma resposta rigorosa a covid-19, baseada em testes laboratoriais em massa, rastreamento de contactos e quarentenas, com as autoridades sanitárias a concentrar os recursos médicos em grupos prioritários, incluindo pessoas com 60 anos ou mais e pessoas com condições médicas preexistentes.

Mais de 1,6 milhão de pessoas com sintomas leves ou moderados da covid-19 foram aconselhadas a isolarem-se em casa para aliviar os hospitais, disse a KDCA.

A covid-19 provocou pelo menos 6.011.769 mortos em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A variante Ómicron, que se dissemina e sofre mutações rapidamente, tornou-se dominante no mundo desde que foi detectada pela primeira vez, em Novembro, na África do Sul.

Inforpress/Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest