Estrangeiros representam cerca de 4 por cento do total da população da ilha do Sal – AAI

A presidente da Alta Autoridade para a Imigração destacou esta quinta-feira, 23, no Sal, a importância da instalação de uma representação local, já que os estrangeiros representam cerca de 4 por cento do total da população, superior à média nacional.

Carmem Barros fez essa comparação no ato de inauguração do espaço da Unidade Local de Imigração, que passou a funcionar, a partir desta quinta-feira, 23, numa das dependências do Polidesportivo, na cidade dos Espargos.

Testemunhada pelo ministro da Família e Inclusão Social, a unidade tem como propósito prestar um serviço de atendimento integrado, assente na triagem e rastreio das necessidades e na adequação das respostas, informar os imigrantes dos seus direitos e deveres, entre outras obrigações.

“O Sal é um dos concelhos que mais recebe imigrantes estrangeiros em Cabo Verde. As estatísticas oficiais nos dizem que os estrangeiros representam cerca de 4 por cento do total da população do Sal, superior à média nacional, que é de 3 por cento”, precisou Carmem Barros, referindo que além das estatísticas, é “visível, e dinâmica” a realidade da imigração no Sal.

“É evidente a contribuição que os imigrantes trazem para o desenvolvimento do município. Trazem coisas boas, mas também colocam enormes desafios ao funcionamento das instituições, no sentido de dar resposta de melhor forma às diferentes necessidades sentidas pelos imigrantes, com vista a uma integração positiva”, sublinhou.

E é nessa perspetiva que, conforme disse, se está a implementar essa Unidade Local de Imigração (ULI).

“Exige-nos coordenação, cooperação, para responder da melhor forma, e garantir que efetivamente, os imigrantes possam estar integrados e tenham uma boa permanência em Cabo Verde”, concretizou Carmem Barros, reiterando que este gabinete ora inaugurado propõe facilitar os
contactos entre os imigrantes e os outros serviços, evitando assim “bloqueios e barreiras” que às vezes aparecem.

“Ajudar os imigrantes a compreenderem bem as regras, deveres e direitos, desenvolver campanhas de informação e de sensibilização para prevenção da discriminação, e promoção do respeito, apoiar os imigrantes a iniciativas de educação e formação (…) fazer com que seja uma sociedade harmoniosa e de integração”, enfatizou.

Carmem Barros concluiu, reiterando que isso só é possível com a cooperação, envolvimento e trabalho conjunto entre os pares.
“Espero que, no final, possamos ver a diferença entre o antes e o depois da abertura deste gabinete, no que toca à imigração e integração dos imigrantes aqui no Sal”, finalizou.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest