Governo dá aval para procura de financiamento de 850 mil contos para remodelar Cabnave

O ministro do Mar disse esta quinta-feira, 03, no Mindelo, que o Governo já deu aval para avançar com a procura de financiamento para a remodelação da Cabnave, em São Vicente, e 450 mil contos para colmatar os problemas actuais.

Abraão Vicente fez estas declarações no término de uma visita da embaixadora da União Europeia, Carla Grijó, à zona de Saragaça, projectada para receber o desenvolvimento da Zona Económica Especial Marítima de São Vicente (ZEEMSV).

Segundo o ministro, que foi questionado pela Inforpress sobre o futuro da Cabnave, ninguém irá investir nos estaleiros navais, sabendo que a Cabnave foi fundada nos anos 80 e teve uma única intervenção em 95 /96 e neste momento está a trabalhar muito abaixo daquilo que é a sua potencialidade.

Pelo que, explicou, também estiveram hoje na Cabnave para perceber o estado da situação e a necessidade de, independentemente de se avançar ou não com a ZEEMSV em Saragaça, haver um investimento de fundo nos estaleiros navais.

“Em São Vicente ganhamos parte do mar nos anos 80 para construir a Cabnave que já tem uma expertise consolidada de prestação de serviço e não é possível, neste momento, replicar no porto da Praia, no da Palmeira ou no porto do Tarrafal de São Nicolau. É preciso investir na Cabnave para garantir a segurança de navegação nas águas cabo-verdianas”, frisou.

Segundo o ministro, qualquer navio que tiver um acidente nas águas cabo-verdianas com petróleo ou com um embate causará problemas e essa plataforma é importante para além de ser fundamental para os transportes inter-ilhas.

“Nos próximos tempos, temos dois parâmetros: o investimento, que já foi calculado em cerca de 850 mil contos cabo-verdianos para total remodelação e reforma da Cabnave e um investimento de 450 mil contos para colmatar os problemas actuais e fazer com que uma obra paulatina comece a fazer uma reforma da Cabnave sempre na perspetiva de que não podemos fechar a Cabnave e fazer a reforma”, defendeu.

Conforme o governante, as obras vão acontecer independentemente da concretização do projecto na Saragaça, porque a ZEEMSV não vai acontecer nos próximos dois, três ou quatro anos.Portanto, acrescentou, terão de “obrigatoriamente fazer um investimento na Cabnave” se quiserem “garantir a segurança de conexão inter-ilhas”.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest