Movimento Sokols’2017 aponta para 20 mil pessoas nas ruas de São Vicente na manifestação de sábado

O Movimento Cívico Sokols’2017 espera 20 mil pessoas nas ruas de São Vicente na manifestação que convocou para este sábado, 25, dedicado à causa da justiça, sua respectiva reforma e outras “questões impactantes” do sector.

Em conferência de imprensa hoje, no Mindelo, o líder do movimento, Salvador Mascarenhas, indicou que espera que a manifestação seja a maior de sempre realizada pelo Sokols’2017, porque na essência, apontou, está um “assunto transversal” a toda a Nação, e com acções do género previstas igualmente para Espanha, Santiago e Santo Antão.

“Será uma grande jornada de cidadania, queremos 20 mil pessoas nas ruas, porque o povo unido jamais será vencido, e aí o Governo terá que ouvir o povo”, concretizou a mesma fonte, que reconheceu que a cifra das 20 mil pessoas “é grandiosa” e que vai “ficar frustrado” se tal não ocorrer.

“Esperamos uma manifestação pacífica, pujante, intensa e uma adesão em massa do povo, completamente independente, não vamos permitir nenhum tipo de adereço ou símbolo de partidos políticos, nem violência, pessoas alcoolizadas ou utilização de droga”, declarou Mascarenhas, que deu conta ainda que a organização tomou “todas as precauções sanitárias” e vai distribuir máscaras e álcool gel.

“Apelamos às pessoas para participarem com todo cuidado que o momento exige”, concretizou.

Conforme a mesma fonte, a concentração ocorre às 10:00, na Praça Dom Luís, e os manifestantes, apoiados por carros de som, batucada e animação, vão efectuar o percurso câmara municipal, Tribunal da Comarca de São Vicente, Avenida Fernando Ferreira Fortes, Alto Sentina, Cadeia Civil e regresso à cidade, com passagens no Palácio do Povo e no Tribunal da Relação do Barlavento, antes da concentração final na Praça Dom Luís.

“Haverá paragens e intervenções à frente do Tribunal, em Alto Sentina, na Cadeia Civil, onde será lançado um bando de pombos, Palácio na Rua de Lisboa, Tribunal da Relação e Praça Dom Luís”, reforçou Salvador Mascarenhas.

O “grande tema” que vai enformar a manifestação, de acordo com a organização, é a questão da reforma da justiça, nas vertentes revisão da constituição, a necessidade de um serviço de inspecção da justiça, de uma lei de tramitação processual e de informatização do sistema judicial.

“Além disso, o Sokols2017 considera injusta a prisão preventiva do advogado Amadeu Oliveira e pugna que ele seja libertado até ser julgado”, ajuntou.

Por outro lado, o líder do Sokols’2017 mostrou-se “chocado” com uma postura da Rádio de Cabo Verde (RCV) que alegadamente “negou” veicular um spot publicitário sobre a manifestação.

“Explicaram-nos aqui nos Estúdios do Mindelo que, por se tratar de um período eleitoral, os spots têm que ser aprovados previamente pela sede, na Cidade da Praia, e, posteriormente o Sokols2017 recebeu um email a informar que o spot não fora aprovado para passar na rádio, sem outras explicações”, relatou Salvador Mascarenhas, para quem se trata de uma “tremenda violação” da Constituição da República no capítulo das liberdades de expressão.

“Contudo, recebi hoje um telefonema do presidente do Observatório da Cidadania Activa a manifestar a sua solidariedade perante este acto, que ele condena de forma veemente”, concretizou Salvador Mascarenhas.

O Movimento Cívico Sokols’2017 inspira-se nos Sokols de Cabo Verde – ou Falcões de Cabo Verde -, uma organização juvenil criada em 1932, em São Vicente, por um funcionário da Western Telegraph Company, à semelhança do movimento checo surgido em 1862.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest