Observatório Cidadania Activa felicita José Maria Neves pela eleição como Presidente da República

O Observatório Cidadania Activa de Cabo Verde felicitou hoje, o Presidente eleito, José Maria Neves, e enalteceu a forma “ordeira e cívica” como o povo de Cabo Verde participou nas eleições presidenciais deste domingo.

Em comunicado, o Observatório disse que com estas eleições presidenciais, Cabo Verde deu mais um “importantíssimo passo no processo de consolidação da democracia e das suas instituições”.

“Parabéns Cabo Verde porque estas eleições presidenciais contribuem, substancialmente, para a afirmação do nome do país no panorama internacional enquanto um exemplo de democracia”, lê-se no documento.

O Observatório manifestou, igualmente, o seu “total empenho” em reforçar a excelente parceria existente com a Presidência da República no desenvolvimento de programas e acções socioeducativas de promoção da educação para a cidadania, nas suas mais diversas vertentes.

No entanto, lamentou a alta taxa de abstenção que se tem registado nas eleições em Cabo Verde. Neste particular, reforçou o seu compromisso em continuar a desenvolver, em parceria com a sociedade civil e as organizações públicas e privadas, acções de capacitação em cidadania eleitoral tendo em vista uma maior participação dos cidadãos em todos os momentos cruciais da vida do país, como sejam as eleições.

Também o Observatório Cidadania Activa criticou o “desrespeito pelas normas de segurança sanitária” nesta disputa eleitoral, sobretudo em “alguns comícios e com grandes aglomerações”.

José Maria Neves, professor universitário e antigo primeiro-ministro cabo-verdiano, de 61 anos, foi domingo eleito, à primeira volta, o quinto Presidente da República de Cabo Verde, com 51,5% dos votos, de acordo com dados do apuramento provisórios.

Apoiado pelo Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), actualmente na oposição), José Maria Neves irá suceder a Jorge Carlos Fonseca, que cumpre o seu segundo e último mandato como Presidente da República.

Carlos Veiga, também antigo primeiro-ministro, que se candidatou com o apoio do Movimento para a Democracia (MpD), no poder, e pela União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID), também na oposição, obteve 42,6% dos votos e falhou a eleição para Presidente da República pela terceira vez.

 

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest