ONU doa cerca de 3 milhões de dólares a Cabo Verde para ajudar a gerir biodiversidade

A ONU vai disponibilizar cerca de três milhões de dólares (2,7 milhões de euros) a Cabo Verde para melhorar a gestão da biodiversidade, projeto a concretizar inicialmente em duas ilhas, conforme acordo hoje assinado.

O acordo para financiar o Sistema Nacional de Governança e da Biodiversidade foi assinado pela diretora Nacional do Ambiente, Ethel Rodrigues, e pelo representante das agências das Nações Unidas no arquipélago (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Fundo das Nações Unidas para a População e o Fundo das Nações Unidas para a Infância).

Com duração de cinco anos, as atividades vão ser realizadas, numa primeira fase, nos parques naturais das ilhas de Santo Antão e da Boa Vista.

Gilberto Silva frisou que Cabo Verde já dispõe de um quadro de governança da sua biodiversidade, mas que quer agora reforçar os instrumentos de gestão.

A ideia, prosseguiu, é dar “mais sustentabilidade, mais durabilidade” ao projeto e conseguir “melhores instrumentos” de mobilização e de utilização de financiamentos, para alcançar uma “gestão sustentável” dos recursos naturais vivos em Cabo Verde.

O objetivo é assegurar “que a conservação da biodiversidade possa também contribuir para a melhoria da qualidade do ambiente, do rendimento das famílias e do bem-estar”, referiu o ministro, que espera o envolvimento das comunidades.

O representante das agências das Nações Unidas, David Matern, afirmou que o projeto vai posicionar a biodiversidade como um “recurso basilar” para a resiliência socioeconómica do país.

Aumentar as práticas de conservação, aumentar e diversificar o financiamento para este setor e dar mais eficiência à gestão das áreas protegidas são alguns dos benefícios esperados com o acordo hoje assinado.

O projeto vai ser executado pela Direção Nacional do Ambiente (DNA), que quer replicar os resultados em mais áreas protegidas do país.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest