PAICV contraria MpD e diz que câmaras de Santiago Sul estão “empenhadas” na valorização dos seus trabalhadores

A Comissão Política Regional de Santiago Sul (CPRSS) do PAICV contrariou esta quinta-feira, 20, as acusações do Movimento para a Democracia, asseverando que as câmaras de Santiago Sul estão “firmes e empenhadas em trabalhar na valorização dos seus trabalhadores.

O presidente da Comissão Política Regional Santiago Sul (CPRSS), Carlos Tavares, falava em conferência de imprensa, reagindo assim às acusações do Movimento para a Democracia (MpD), que também em conferência de imprensa, denunciou que há “desleixo e falta de sensibilidade social” das câmaras de Santiago Sul na aplicação do Plano de Carreiras, Funções e Remunerações (PCFR).

“É mentira que as câmaras municipais da Praia, São Domingos e Ribeira Grande de Santiago não procederam à actualização salarial no ano de 2023. Essas câmaras municipais procederam nos termos da Lei, a actualização salarial de todos os funcionários e pensionistas”, assegurou Tavares, sublinhando que essas câmaras municipais têm “grande sensibilidade social”.

“E estão firmes e empenhadas nos seus propósitos de trabalhar em prol da valorização dos seus trabalhadores e comprometidas em servir os munícipes. O MpD não tem lições a dar em matéria de valorização de recursos humanos. Nunca implementou o PCCS de 2013 nas câmaras municipais de Santiago Sul, situação que causou e tem causado imenso constrangimento”, acentuou.

“O MPD, que na sua gestão criou e institucionalizou a precariedade laboral nas câmaras municipais da Praia, S. Domingos e Ribeira Grande de Santiago, vem agora falar de insensibilidade social”, questionou, acusando o partido ventoinha de “utilizar narrativas falsas, desinformação e manipulação de factos para enganar os cabo-verdianos”.

Sobre a aplicação do novo Plano de Carreiras, Funções e Remunerações, Carlos Tavares referiu que o próprio Governo está ainda por fazer a sua implementação cabal, com várias classes profissionais a “reclamarem” nesse sentido.

“Por isso, a conferência de imprensa do MpD não é mais do que uma fuga em frente para desviar as atenções da falta de compromisso do Governo nesta matéria. Mesmo assim, as câmaras municipais da Praia, São Domingos e Ribeira Grande de Santiago estão a trabalhar arduamente para proceder à transição dos trabalhadores para o Novo PCFR”, concretizou a mesma fonte.

Neste contexto, Carlos Tavares toma tempo para enunciar a actuação das câmaras municipais de Santiago Sul, no sentido da actualização salarial, regularização da situação contratual, atribuição de subsídios de risco, regularização de várias pendências e resolução de várias situações de precariedade e de injustiça ao nível dos recursos humanos, em diversos sectores das autarquias, e que, conforme enfatizou, “foram herdadas” da gestão do MpD.

“O MpD, ciente destas medidas, e conhecendo os seus impactos junto dos trabalhadores (sem nenhum tipo de discriminação político-partidária), vem agora com falsidades, criar ruídos para enganar as pessoas. Esse pronunciamento do MpD é para tentar branquear as suas más práticas e desviar as atenções da desgovernação do país, em que o Governo tem falhado em vários sectores e não tem honrado os compromissos feitos com várias classes profissionais”, concluiu.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest