Parlamento: MpD diz que Praia está a regredir devido à gestão sem rumo da nova equipa camarária 

O deputado do MpD Alberto Melo afirmou hoje que a Praia tem vindo a regredir devido à gestão “sem rumo” da nova equipa camarária, frustrando completamente as ilusões criadas à volta da falácia de “Uma Praia para Todos”.

O deputado do Movimento para a Democracia (MpD) fez estas afirmações durante a declaração política apresentada esta manhã no segundo dia da sessão parlamentar deste mês, tendo o mesmo durante a sua intervenção, feito um balanço da governação do município da Praia e apontado os ganhos e desafios.

No seu entender, governar a Cidade da Praia é, antes de mais, respeitar a liberdade e a diversidade política, envolvendo os cidadãos numa participação activa no presente e no futuro da urbe.

Alberto Melo considerou que, precisamente por ser a capital do País, Praia merece toda a atenção e cuidado, lembrando que os anos de governação do MpD na capital demonstraram com toda a clareza que a mesma tinha solução e que o seu processo de retrocesso não era uma fatalidade.

Com a governação do MpD, prosseguiu, a Praia passou a ser uma cidade cuidada, mais bonita, limpa e melhor organizada, com bairros requalificados, com mais zonas verdes e espaços públicos de qualidade, infra-estruturas, diversidade cultural e criação de uma percepção de pertença e de identidade colectiva.

Defendeu a necessidade de se fixar projectos e objectivos, elaborar estratégias e programas que tragam progresso social e desenvolvimento e de continuar a planear para resolver os problemas ligados ao rápido e permanente crescimento populacional da cidade.

“Infelizmente, a cidade tem vindo a regredir, por razão de uma gestão sem rumo, sem projecto e sem horizontes, frustrando completamente as ilusões criadas à volta da falácia de “Uma Praia para Todos”. A Praia voltou para trás”, declarou, referindo que a actual governação da cidade, liderada por Francisco Carvalho, tem-se desdobrado “em trapalhadas” e tem vindo a perder aliados, desde logo, os seus próprios eleitos.

Acrescentou ainda que a governação do município da Praia está assente na “propaganda, nas falácias, na ilegalidade, no compadrio e na gestão lesiva de recursos públicos”, advogando que a capital cabo-verdiana precisa de sentido estratégico, comprometimento com o serviço público e muito trabalho para reverter a situação de descalabro da actual governação.

“É tempo de dizer basta à propaganda e começar a trabalhar! Até porque, ao contrário da governação do PAICV, o Governo do MpD tem vindo a tratar os municípios por igual e sem palas ideológicas, mobilizando recursos para as câmaras do PAICV, como, aliás, é o caso da Câmara Municipal da Praia”, desafiou.

Por seu turno, o deputado do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV-oposição), Carlos Tavares, afirmou que o MpD, ao trazer uma declaração política sobre a governação da Praia, fugiu das suas responsabilidades enquanto Governo central e resolveu focar na gestão municipal da Praia, liderada por Francisco Carvalho que, sublinhou, está a fazer um “excelente trabalho”.

“O MpD está perturbado com a linha do comprometimento da câmara da Praia e o sucesso que o presidente Francisco tem vindo a ter na Praia, que é um município que demanda dos actores políticos, postura responsável e um compromisso inegável”, asseverou, destacando que a nova equipa camarária, em dois anos de mandato, já tomou medidas que tiveram impacto na vida dos munícipes melhorando a qualidade de vida dos mesmos.

Frisou, por outro lado, que a forma como o MpD deixou a Câmara Municipal da Praia pelo nível de intransparência, ilegalidade e gestão danosa que fizeram na câmara da Praia, deviam ter vergonha de como governaram durante os 12 anos.

Acusou ainda o MpD de ter feito uma gestão danosa com máfia de terrenos, ilegalidades na contratação pública, favorecendo um pequeno grupo deixando assim os munícipes a viverem em situações de vulnerabilidades e pobreza.

Por seu lado, o deputado da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID), António Monteiro, salientou que a celebração de mais um aniversário de elevação da categoria de cidade no dia 29 deste mês é motivo para todos juntarem a sua voz em prol do desenvolvimento local.

O que a Praia merece, especificou, é ter um poder local e um Governo que faça de tudo para que possa dar a esta capital todos os requisitos e possibilidades para que realmente consiga representar o país de várias formas possíveis.

“Este é um desafio que todos nós somos aqui chamados a fazer e estar no parlamento ou fora a discutir, não ajudará a Praia de maneira nenhuma. Temos de nos consciencializar de que a política deverá ser feita com a elevação necessária de forma a podermos criar consensos para podermos potencializar todos os ganhos da cidade da Praia enquanto capital”, afirmou.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest