Presidenciais’2021: Carlos Veiga “firme” em unir forças políticas e sociedade civil na busca de consenso para a regionalização

Carlos Veiga enalteceu hoje a recepção que teve no Mindelo por apoiantes da sua candidatura que foram ao seu encontro com batucada, seguida de uma passeata por várias artérias da ilha de São Vicente, cantando e dançando “Oli Kalú”.

Mal pisou a cidade do Mindelo, vindo de Santo Antão, o candidato presidencial, ladeado por Ulisses Correia e Silva, presidente do MpD, força política que juntamente com a União Cabo-verdiana Independente e Democrática, apoia o seu projecto presidencial, foi agraciado com samba/batucada, em sinal de apoio à candidatura de “Unir para Avançar”.

A passeata percorreu seis quilómetros, com passagens ainda pelos bairros de Vila Nova, Ribeirinha, Fonte Inês, Cruz João Évora, Madeiralzinho e Mercado Municipal do Mindelo, com Veiga e seus colaboradores a incitarem os feirantes e a todos os transeuntes a escolherem a sua candidatura, para poder chefiar este País a partir de 17 de Outubro.

Eta tarde, após breve pausa para o almoço, Carlos Veiga e a sua equipa reuniram-se com estruturas locais para logo de seguida regressar ao terreno em contactos directos, porta-a-porta, com o eleitorado de Fonte Francês, juntamente com o líder da UCID, António Monteiro, que se juntou à passeata a partir da praça D. Luís e um encontro com grupos de jovens numa das unidades hoteleiras do Mindelo.

Para Carlos Veiga, a caminhada foi boa e permitiu-lhe contactar “muita gente”, para além de servir de exercício físico. Mostrou-se “muito feliz e com a percepção positiva de que a sua candidatura caminha rumo à vitória, a 17 de Outubro”, realçando que São Vicente sempre teve esta tradição em participar muito activamente na campanha.

“Sinto-me que as pessoas nutrem uma grande amizade por mim, por esta candidatura e estou feliz, muito satisfeito com esta recepção”, numa ilha que Veiga promete, se for mesmo eleito Presidente da República, criar espaços para o debate “tranquilo” da questão da regionalização, por considerar necessário, “de acordo com orientações da Constituição, dar mais poderes às ilhas”.

Manifestou o seu propósito em trabalhar com diversos actores políticos e com a sociedade para encontrar uma solução de consenso necessário, exigência de Constituição, que implica maioria qualificada, sublinhando que a ilha está pronta para dar o salto no pós-covid-19, com a recuperação das obras de infra-estruturação.

Ainda esta noite, Veiga vai estar no centro das atenções durante o comício-festa, na Rua de Lisboa, onde o advogado e antigo primeiro-ministro espera “uma grande enchente” para fazer passar a mensagem de “votar na garantia da estabilidade política/governativa”.

Nas presidenciais do dia 17 de Outubro, nos dois círculos eleitorais, nacional e estrangeiro, concorrem sete candidatos, nomeadamente Fernando Delgado, Gilson Alves, José Maria Neves, Carlos Veiga, Hélio Sanches, Casimiro de Pina e Joaquim Monteiro.

As últimas eleições presidenciais em Cabo Verde ocorreram no dia 02 de Outubro de 2016, com três candidatos (Albertino Graça, Jorge Carlos Fonseca e Joaquim Monteiro). Venceu Jorge Carlos Fonseca na primeira volta para um segundo mandato, com 74% dos votos.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest