São Vicente: Presidente do HBS reconhece necessidade de mais pediatras. Sindicato diz que “situação é desumana”

O secretário permanente do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (Sintap), Luís Fortes, considera a situação dos profissionais da Pediatria do Hospital Baptista de Sousa “desumana”, por estarem a laborar com carga horária excessiva.

“Há uma falta gritante de recursos humanos, já reportamos isso ao Governo, já colocamos isso no nosso caderno reivindicativo, também já assinamos um acordo para resolução desses problemas, mas especificamente aqui na pediatria de São Vicente, nós estamos a constatar que a situação continua cada vez mais grave. Nós temos uma situação desumana”, considerou o sindicalista, em declarações à Inforpress.

Segundo a mesma fonte, não há quadros para fazer a cobertura das necessidades de especialidade na pediatria, realçando que na Pediatria deveria trabalhar apenas pediatras, tanto internamente como no serviço de urgência, e não ter clínicos gerais que fazem plantão 24 horas sozinhos.

“É uma situação que não é compreensível porque não há um serviço, digamos assim, de qualidade para os funcionários, e para os utentes”, acrescentou, afirmando que a população não sabe da situação e quando um médico ou um pediatra, depois de 24 horas de trabalho, não tem condições para prestar a mesma atenção a todos os utentes, surgem queixas da sociedade, mas esta deveria, em primeira mão, passar a responsabilidade ao Governo que tem a obrigação de garantir a saúde básica à população.

“Nós não queremos crer que haja um sufoco do serviço público em detrimento do serviço privado. Devem trabalhar em sintonia, em colaboração, mas não se pode enfraquecer o serviço público, porque os técnicos estão a pedir exoneração, a colocar cargos à disposição porque o hospital e o Ministério de Saúde não estão a dar garantias humanas para esses profissionais”, reforçou, acrescentando que esses profissionais dizem que “não têm vida familiar, estão sujeitos a riscos de doença do trabalho”.

O sindicalista promete tomar uma posição em relação a esta matéria, acrescentado que o serviço de saúde em Cabo Verde continua crítico, principalmente no serviço público do hospital de São Vicente, que carece de vários profissionais, dos quais oftalmologistas.

Por sua vez, a presidente do Conselho de Administração do Hospital Baptista Sousa, Helena Rebelo Rodrigues, reconheceu que neste momento há necessidade de pediatras no hospital.

Segundo a mesma, o HBS tinha uma escala já de si um pouco apertada e foram surpreendidos com alguns eventos não normais, designadamente o pedido de exoneração de uma médica-pediatra e também baixas médicas prolongadas por licença de maternidade e por doença.

“Isto criou alguma pressão sobre a escala de pediatria que nós temos estado a tentar resolver. Inclusive, através da Brigada Médica Cubana, nós já tínhamos a indicação da chegada em Cabo Verde, no dia 20 de Maio, de um médico-pediatra, mas por razões outras não foi possível chegar ainda e estamos à espera que qualquer momento isso aconteça”, esclareceu.

Sobre o excesso de carga horária, a mesma fonte disse que tem procurado, através da direcção clínica e da direcção do serviço, criar medidas e outras soluções para aliviar a carga de trabalho dos pediatras, designadamente através de contratação de médicos, não especialistas, mas clínicos gerais, que em várias escalas em todo o mundo, normalmente, apoiam os serviços de urgência, quer de pediatria, quer de adulto.

Da parte do Ministério da Saúde, Helena Rebelo Rodrigues garantiu que tem tido respostas, esclarecendo que a resposta imediata foi a contratação dos clínicos gerais, por um lado, e, por outro, pressionar a chegada de pediatras, porque não há essa especialidade em Cabo Verde e nem em países próximos, pelo que, adiantou, tem sido através da Brigada Médica Cubana.

“Estas questões, muitas vezes, demoram mais do que o tempo que o hospital precisa, que o serviço precisa, mas nós temos estado imensamente empenhados, juntamente com o Ministério da Saúde, na busca de soluções, por um lado, e por outro, a pressionar para que, de facto, aconteçam, para que possamos aliviar a equipa que está na pediatria do Hospital Batista de Sousa.

A Inforpress contactou o Ministério da Saúde, mas a assessoria informou que está a preparar uma reacção que será divulgada brevemente.
CD/JMV

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest