Sindicato: Greve dos agentes da Guarda Municipal da Praia com mais de 50% de adesão

Mais de 50% dos agentes da Guarda Municipal da Praia iniciaram hoje a greve de três dias para reivindicar em protesto contra o incumprimento, por parte da câmara municipal, da maioria dos compromissos assumidos.

“Se a Praia é para todos queremos fazer parte, basta de mentiras basta de abuso, 12 anos não são 12 dias, queremos 30% do suor do nosso trabalho e queremos o nosso direito”, são uma das falas proferidas pelos grevistas.

O guarda municipal António Cabral, em representação da classe, recordou que tiveram uma negociação com a atual autarquia onde estabeleceram acordos que não foram cumpridos.

“Assinamos um memorando de entendimento que expirava no mês de Dezembro e a câmara municipal não cumpriu, então marcamos mais uma reunião mas foi sem sucesso, por isso mandamos um pré-aviso de greve”, elucidou aquele responsável.

E hoje, prosseguiu António Cabral, os guardas municipais saíram às ruas para reivindicar 30% de comparticipação de coima estipulada na lei.

“É o que está na lei, o código de postura prevê isso, temos os primeiros agentes que formaram, como é meu caso, com 12 anos sem nenhuma promoção, isso nos afeta financeiramente e nós sabemos do nosso direito, porque a lei é bem clara nisso, de quatro em quatro anos temos direito à promoção, mas nunca aconteceu, só promessas e mais promessas”, ressaltou.

Aquele guarda fez saber ainda que já reuniram muitas vezes com a autarquia para negociações, contudo, nenhum teve sucesso, mas, mesmo assim, adiantou, a classe espera uma concertação.
Porque, conforme explicou, sempre primaram pelas negociações de “forma pacífica” e pelo cumprimento daquilo que está previsto na lei.

Por seu lado, Benito de Paula Gomes, presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio e Serviços (STCS) que convocou a greve, adiantou que mais de 50% dos guardas municipais aderiram à greve para reivindicar o pagamento de coimas de 2021.

Ademais, reclamam ainda a implementação da Polícia Municipal, progressões e promoções em atraso e o novo fardamento que segundo aquele sindicalista, os guardas estão a usar há pelo menos dois anos o mesmo uniforme.

Caso a greve não surtir efeitos desejados, prometeu adoção de outras medidas que posteriormente serão definidas em assembleia geral juntamente com a classe a acontecer já no próximo mês.

No entanto, frisou, que o presidente da Câmara Municipal da Praia, Francisco Carvalho, manifestou à imprensa que está disposto a negociar, pelo que o STCS e os trabalhadores estão a “crer” que no decorrer da greve poderão chegar a um entendimento.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest