Vice-presidente da JpD considera “infundadas” declarações do líder da JPAI sobre situação laboral no Sal

O vice-presidente da Juventude para a Democracia (JpD), Billy Bolton, considerou ontem, dia 18, no Sal, que são “infundadas” as declarações do líder da juventude do PAICV (JPAI), sobre a realidade local e a situação laboral na ilha.

Billy Bolton teceu estas considerações em conferência de imprensa para reagir às declarações do presidente da JPAI que, também em conferência de imprensa, no sábado, 16, afirmou que a situação laboral no país “chegou no fundo” e “nunca esteve tão grave”, com uma “enorme precariedade” laboral particularmente nas ilhas do Sal e da Boa Vista.

Para o vice-presidente da JpD, “a visita da JPAI à ilha do Sal, foi marcada pela repetição do mesmo discurso de crítica e desvalorização, frequentemente utilizado pela estrutura do Partido Africano para Independência de Cabo Verde (PAICV) na ilha do Sal”.

“As declarações do líder da JPAI demonstram um completo desconhecimento da realidade da ilha. Os dados não mentem e somos a ilha com maior PIB per capita do país, onde se incluem os jovens, que constituem a base da população”, afiançou.

A ilha do Sal recebe centenas de jovens de todas as partes para trabalhar nos sectores hoteleiros, segundo a mesma fonte, reconhecendo, entretanto, que essa procura cria consigo o problema das habitações, mas que “o Governo actuou e tem desenvolvido políticas públicas assertivas para amparar estes jovens”.

“É importante destacar os avanços significativos na ilha do Sal, especialmente no sector turístico, onde o investimento privado tem gerado oportunidades de emprego para a nossa juventude a grande maioria dos trabalhadores do sector hoteleiro possui empregos estáveis, o que tem contribuído para o desenvolvimento da ilha”, continuou.

Por outro lado, enumerou, “o presidente da JPAI, fingiu desconhecer a realidade sobre a população carcerária no mundo, onde a sobrelotação das prisões é um fenómeno global”.

Billy Balton acusou ainda, que boa parte da população carcerária em Cabo Verde é reincidente, e segundo o mesmo, isso acontece porque o “PAICV falhou na política de reinserção social durante os 15 anos de governação do partido”.

Existe actualmente, continuou, “acções de formação profissional em todas as cadeias do país para capacitar os reclusos para uma actividade laboral quando forem reintegradas na sociedade”.

O vice-presidente da Jpd afirmou ainda que, ao contrário das declarações do líder da JPAI no parlamento, sobre o destino dos jovens no país, “a JpD acredita na juventude cabo-verdiana” pois o país dependerá do trabalho dos jovens de hoje.

“Acreditamos que os jovens podem e vão fazer a diferença, continuamos a influenciar políticas públicas que sirvam a nossa juventude”, concluiu.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest