Vice-primeiro-ministro considera INE um “ativo importante” para a credibilidade externa de Cabo Verde

O vice-primeiro-ministro, Olavo Correia, considerou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE) um “ativo importante” para a credibilidade externa de Cabo Verde e que tem partilhado as suas boas práticas internacionais

O governante fez estas declarações durante a cerimónia de tomada de posse de novos membros do Conselho da Administração do Instituto Nacional de Estatística (INE), realizada esta terça-feira, na Cidade da Praia.

Segundo Olavo Correia, o INE é hoje uma autoridade “independente e credível”, que desenvolve processos estatísticos metodologicamente avançados, que vem recorrendo progressivamente a inovação tecnológica, ciência dos dados, confidencialidade dos cidadãos e entidades, mas também que devolve à sociedade cabo-verdiana o valor para o melhor conhecimento, investigação.

“O INE que temos hoje é um INE que trabalha em linha com o código de conduta muito apertado e em linha com as melhores práticas internacionais, profissionalismo, independência técnica confidencialidade, valorização dos recursos humanos”, afirmou, reconhecendo o contributo que o Conselho Diretivo cessante da instituição deu no reforço das estatísticas oficiais e reconhecimento internacional do INE

Na sua intervenção, Olavo Correia desafiou o novo Conselho Diretivo do INE a trabalhar no sentido de produzir semestralmente as estatísticas do mercado de trabalho e prometeu que o Governo irá mobilizar recursos para o cumprimento deste objetivo.

“As estatísticas do mercado de trabalho devem ser produzidas no mínimo semestralmente para permitir o acompanhamento dos efeitos das políticas públicas e permitir ao Governo continuar ou alterar as políticas públicas por forma a realizar as metas em matéria de emprego digno e vamos junto mobilizar os recursos para que o INE cumpra com essa obrigação”, declarou.

Defendeu ainda a necessidade de se ter uma estatística regular de segurança alimentar, tendo em conta o contexto de emergência económica, salientando que sem informações de qualidade em tempo útil ninguém poderá tomar decisões com segurança.

Recomendou aos novos membros do Conselho Diretivo do INE atenção especial às estatísticas da Justiça e as áreas da Educação e Saúde, uma vez que, lembrou, são áreas por excelência de transferências públicas, que contribuem para a mobilidade social ascendente redução das desigualdades sociais e pobreza.

“O INE deve realizar os esforços no sentido de conseguirmos produzir estatísticas de movimento nas fronteiras do país com qualidade, regularidade, e as estatísticas de migrações. O Governo exorta o presidente do INE a darem atenção especial a coordenação contribuindo assim para que o Conselho Nacional de Estatística cumpra em pleno a sua missão e seja garantida a produção das estatísticas prioritárias com qualidade e rigor cientiíico”, acrescentou.

Reconheceu, por outro lado, que o INE tem ainda alguns desafios a serem ultrapassados, a vários níveis, para que possa ser ainda mais credenciada, reconhecida e valorizada, tendo prometido que o Governo irá juntamente com o Conselho Diretivo mobilizar recursos para a construção da nova sede da instituição.

O membro do Conselho Diretivo do INE, João Cardoso, tomou posse como presidente do Conselho da Administração, Fernando Rocha vice-presidente e Annie Sanches como vogal, substituindo assim Osvaldo Borges, presidente e Celso Hermínio Soares Ribeiro, vice-presidente, que foram empossados em 2016.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest