“Atualização salarial é uma necessidade premente”, defende CCSL

O presidente substituto da Confederação Cabo-verdiana dos Sindicatos Livres (CCSL), João Mette, disse hoje que a atualização salarial no País é uma “necessidade premente” e que deve ser em função de cada categoria profissional.

O sindicalista justificou a necessidade de se atualizar os salários dos cabo-verdianos, porque “há muito tempo que perderam o poder de compra, de uma forma considerável”.

“Os reajustes que se fizeram há alguns anos foi de um por cento e meio, que não dá para nada”, indicou João Mette, à Inforpress.
Por isso, defendeu uma outra forma de compensação, ou seja, em função de cada categoria profissional para se poder “equilibrar a balança”.

Na sua perspetiva, nesta matéria, há que fazer um “estudo aturado” e ver qual seria a melhor forma de compensação do custo de vida para os trabalhadores cabo-verdianos.

Para João Mette, há igualmente uma “especulação” do mercado e, por isso, seria bom que os trabalhadores tivessem aumentos salariais para terem uma “vida condigna”, acrescentando que, neste momento, devido ao valor acumulado, o Governo “pode estar a dever 20 ou 30 por cento aos trabalhadores”.

“Cinco por cento e meio, para nós, não é o valor justo para compensar o custo de vida, embora tenhamos consciência das dificuldades pelas quais o País passa”, apontou Mette, acrescentando que, também, “não se deve faturar tudo aos trabalhadores”.

Instado sobre a radiografia do País que se vai fazer na sexta-feira, no parlamento, a CCSL, de acordo com o seu vice-presidente, tem “muito cuidado em antecipar, por ser uma atividade política”, na qual não gostariam de se intrometer.

“Vamos seguir  com atenção as discussões à volta do estado da Nação e, se houver matéria laboral que prejudique a classe, analisaremos e tomaremos uma posição em relação a cada aspeto”, prometeu o sindicalista.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest