Banco Mundial vai dar 2 mil milhões de dólares a pequenas e médias empresas africanas

O Banco Mundial anunciou hoje que vai reservar, através da Corporação Financeira Internacional (CFI), 2 mil milhões de dólares para apoiar as pequenas e médias empresas em África que lutam para recuperar dos efeitos da pandemia de covid-19.

“A CFI vai investir mil milhões de dólares [818 milhões de euros] em financiamento direto para as pequenas e médias empresas, a coluna vertebral das economias africanas, e investirá outros mil milhões de dólares para apoiar o financiamento do comércio internacional e facilitar o fluxo de importações e exportações de bens essenciais, incluindo alimentos e produtos médicos”, lê-se num comunicado distribuído em Paris.


O anúncio surge um dia depois da cimeira de Paris sobre o financiamento das economias africanas, que procurou soluções para aumentar a capacidade financeira dos países africanos e propôs um novo modelo de cooperação para o continente.


“O montante de 2 mil milhões de dólares [1,6 mil milhões de euros] está entre os maiores alguma vez apresentados pela CFI para iniciativas específicas em África e surge num contexto em que o continente se debate com as consequências da pandemia de covid-19, que afundou a economia da região numa recessão, reduziu os fluxos de investimento direto estrangeiro, e empurrou milhões de africanos para a pobreza”, aponta-se na nota.


Apesar de ter sido relativamente poupado em termos de consequências de saúde, com cerca de 130 mil mortes, o continente africano é dos mais afetados em termos económicos, não só pela falta de meios para financiar o desenvolvimento económico, como pelo pouco espaço de manobra orçamental para combater a propagação da pandemia.


De acordo com o Fundo Monetário Internacional, os países africanos precisam de quase 300 mil milhões de dólares, cerca de 245 mil milhões de euros, para combater a pobreza, desenvolver as suas infraestruturas e enfrentar as alterações climáticas e a ameaça do terrorismo.


A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.406.803 mortos no mundo, resultantes de mais de 164,1 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Lusa

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest