Bangladesh: Yunus promete ajudar os pobres, apesar dos problemas legais

O prémio Nobel do Bangladesh, Muhammad Yunus, prometeu, neste domingo, 28, vencer vários processos judiciais que os seus apoiantes dizem ter motivação política para materializar as suas visões ambientais e económicas.

“O nosso sonho é criar um novo mundo”, disse Yunus, de 83 anos, aos jornalistas fora do tribunal, depois de lhe ter sido formalmente concedida fiança no seu recurso contra uma pena de seis meses de prisão num caso amplamente criticado por grupos de direitos humanos.

Yunus é creditado por ter tirado milhões de pessoas da pobreza com o seu banco de microfinanças pioneiro, mas provocou a ira da primeira-ministra de longa data do Bangladesh, Sheikh Hasina, que o acusou de “sugar sangue” dos pobres.

Hasina, que tomou posse para um quinto mandato, este mês, depois de uma vitória esmagadora numa eleição boicotada pela oposição, fez vários ataques verbais contundentes contra o internacionalmente respeitado vencedor do Prémio Nobel da Paz de 2006.

A sua condenação a 1 de Janeiro está relacionada a violações da legislação laboral, mas os advogados disseram que Yunus enfrenta pelo menos 170 outros casos, incluindo grandes acusações de corrupção que podem levá-lo à prisão por anos se for considerado culpado.

Ele nega todas as irregularidades.

Yunus, num discurso carregado de emoção, disse que dedicou a sua vida a apoiar os mais necessitados e que estava “empenhado” em continuar o seu trabalho.

O seu plano “Três Zero” visa reduzir as emissões de carbono, acabar com o desemprego e reduzir a pobreza.

“Perseguimos um sonho”, disse Yunus. “Incorremos no aborrecimento de alguém por perseguir esse sonho”, acrescentou, sem especificar nomes.

No caso mais recente, Yunus e três colegas da Grameen Telecom, uma das empresas que fundou, foram acusados de violar as leis laborais, quando não conseguiram criar um fundo de assistência social aos trabalhadores na empresa.

Yunus alegou que o caso foi movido por um departamento governamental, mas o Ministro dos Transportes, Obaidul Quader, disse que o “caso foi movido pelos trabalhadores”.

Hasina rejeitou pedidos de perdão a Yunus e disse que, em vez disso, ele deveria pedir perdão a seus funcionários.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário

Follow Us