Boa Vista: PP quer aproveitar potencial agrícola da zona norte para desenvolver plantação de canábis

O cabeça-de-lista do Partido Popular (PP) para a Boa Vista disse hoje que o seu partido quer aproveitar a potencialidade agrícola da zona norte da ilha para desenvolver a plantação de canábis e desenvolver a economia local.

Sérgio Corá fez estas declarações à imprensa, em João Galego, uma zona agrícola que, conforme diz, pode também ser usada para o turismo rural.

“Nós estamos aqui a apresentar a nossa proposta de cancelar o Ministério da Agricultura e Pesca lá na Praia e transferir os recursos para o vereador da câmara municipal. Isto poderá, seguramente ajudar a dirigir este fundo de uma forma mais directa”, afirmou.

 

Prosseguindo, este candidato relembrou que o PP está a propor a legalização da canábis, uma planta que, conforme disse, tem muita resistência, que não precisa de muita água e que “pode dar um grande desenvolvimento à agricultura desta ilha”.

 

“A canábis tem uma utilidade muito forte na indústria farmacêutica. Não é somente para fumar. É legalizada em muitas partes do mundo com um grande resultado industrial e económico, portanto o que queremos propor é que a próxima Assembleia Nacional inicie e discuta uma lei que possa enquadrar legalmente a produção da canabis”, acrescentou.

 

Sérgio Corá entende que João Galego seria ideal para se desenvolver a plantação de canábis, por ser a principal zona agrícola da Boa Vista, com abundância de furos de água e uma rede gota-a-gota “muito desenvolvida”.

 

Passando um olhar sobre as propostas do Partido Popular para estas eleições legislativa, Sérgio Corá frisou que a população de Cabo Verde, principalmente da Boa Vista, é jovem e que estes estão sempre à procura de soluções inovadoras.

 

“Estão sempre a ver quais são as novas propostas que existem fora do País, portanto a nossas propostas são muito fortes, são bem aceites. Claramente é um experimento social, vamos ver o resultados destas eleições. Se a nossa candidatura tiver um bom resultado final irá mostrar que estas propostas têm uma aceitação e a próxima Assembleia Nacional precisará iniciar a discuti-las”, acrescentou.

 

Às legislativas do dia 18 para eleição de 72 deputados em 13 círculos eleitorais, dos quais dez no País e três na diáspora, concorrem seis partidos – PAICV, MpD, UCID, PTS, PSD e PP.

 

PAICV, MpD e UCID concorrem em todos os círculos eleitorais de Cabo Verde, PP em seis círculos (Santiago Sul, Santiago Norte, Boa Vista e os três da diáspora), PTS também em seis círculos (São Vicente, Santiago Sul, Santiago Norte e três diáspora), e PSD em quatro círculos (Santiago Norte, Santiago Sul, América e África).

 

As últimas eleições legislativas em Cabo Verde ocorreram no dia 20 de Março de 2016, tendo o Movimento para a Democracia (MpD) vencido com maioria absoluta, ao eleger 40 deputados, o PAICV 29 e a UCID três.

 

 

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest