Cabo Verde entra para acionista da Africa50 para garantir financiamentos

Cabo Verde entrou esta semana para o grupo de cerca de 30 Estados africanos acionistas da instituição financeira Africa50, que assegura financiamentos para infraestruturas no continente, anunciou hoje fonte do Governo.

De acordo com a mesma fonte, o contrato que formaliza a entrada de Cabo Verde como novo acionista da instituição foi assinado na terça-feira, em Marraquexe, Marrocos, durante a assembleia-geral de acionistas do Africa50, que termina na sexta-feira.

“A adesão de Cabo Verde ao grupo de acionistas desta importante plataforma financeira acontece num período em que o país está a sair de uma grande recessão económica, em resultado da pandemia, a maior em África e nos SIDS [grupo dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento], e em decorrência da nossa forte dependência do setor do turismo”, afirmou a secretária de Estado do Fomento Empresarial, Adalgisa Vaz, que representou o Governo cabo-verdiano na assinatura da adesão do país.

Não foram revelados pelo Governo cabo-verdiano ou pela instituição dados sobre esta operação, sendo que de acordo com a última atualização disponível pela Africa50, Cabo Verde é o único país de língua portuguesa em África naquela estrutura acionista.

A instituição descreve-se como uma “plataforma financeira” que pretende “contribuir para o crescimento de África através do desenvolvimento e financiamento de projetos, catalisando capital do setor público e mobilizando financiamento privado”.

Antes da assembleia-geral que está a decorrer em Marrocos, contava com 31 acionistas, entre os quais 28 Estados africanos, o Banco de Desenvolvimento Africano (BAD) o Banco Central dos Países da África Ocidental e o Banco Al-Maghrib, garantindo estes três, segundo dados de 2020, financiamentos de 878 milhões de dólares (863 milhões de euros).

O arquipélago enfrenta uma profunda crise económica e financeira, decorrente da forte quebra na procura turística desde março de 2020, devido à pandemia de covid-19.

Em 2020, registou uma recessão económica histórica, equivalente a 14,8% do Produto Interno Bruto (PIB), seguindo-se um crescimento de 7% em 2021 impulsionado pela retoma da procura turística. Para 2022, devido às consequências económicas da guerra na Ucrânia, nomeadamente a escalada de preços, o Governo cabo-verdiano baixou a previsão de crescimento de 6% para 4%.

Para o executivo de Cabo Verde, esta adesão “representa uma importante janela de financiamento que se abre ao país para, junto da África50, agilizar o financiamento de projetos estruturantes para a economia, nomeadamente, aeroportos, portos, projetos no setor energético, água e saneamento, na educação, saúde e tecnologias”.

A África50 aposta no desenvolvimento de infraestruturas no continente, com foco em projetos nas áreas de energia, transportes, tecnologias de informação, saúde ou educação.


Lusa

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest