Cabo Verde já é o quinto destino a nível mundial para grupo espanhol RIU

Cabo Verde já é o quinto destino a nível mundial para grupo espanhol RIU

A maior parte dos hóspedes da cadeia hoteleira em Cabo Verde chega do Reino Unido, seguindo-se os suecos e os clientes de Espanha.

A operar em 21 países e com um total de 97 hotéis, seis dos quais em Cabo Verde, o arquipélago já é o quinto destino a nível mundial para o grupo espanhol RIU. Os dados foram apresentados durante uma conferência de imprensa esta manhã, na Cidade da Praia, por Joan Trian Riu, membro do Conselho de Administração do RIU, num encontro onde foram apresentados os resultados financeiros e os investimentos mais recentes do RIU Hotels & Resorts em Cabo Verde.

Segundo Joan Trian Riu, o ano de 2023 foi o melhor ano para o grupo RIU em Cabo Verde, registando receitas de cerca de 22 milhões de escudos (nesse ano) e um total de 363.694 hóspedes, mais 16 por cento do que em 2022, num total de 4.649 quartos nos seis hotéis disponíveis no arquipélago, das ilhas do Sal e da Boa Vista.

“Para o RIU, Cabo Verde representa já o quinto destino do mundo”, salientou a mesma fonte que mais adiante explicou que a lista é liderada pela Espanha, seguindo-se México, República Dominicana e Jamaica.

A maior parte dos hóspedes da cadeia hoteleira em Cabo Verde chega do Reino Unido, tanto no verão como no inverno, seguindo-se os suecos, de outubro a abril, e hóspedes da Espanha, entre junho a setembro. Há também turistas de Portugal, Luxemburgo, Alemanha, França, Bélgica e Países Baixos.

“No melhor ano da história do grupo RIU em Cabo Verde”, onde já está desde 2005, o grupo revela que pagou 3.944 milhões de escudos em impostos e que foram investidos 772 milhões de escudos no ano passado, sendo que nos dois anos, 2022 e 2023, a soma total do investimento é de 6 mil milhões de escudos, tendo em conta que o grupo renovou os hotéis no país, faltando atualmente renovar apenas o RIU Touareg na Boa Vista.

Segundo a mesma fonte, as perspectivas são melhores para 2024 tendo em conta que as estadias desde o início do ano estão com um crescimento em relação ao período homólogo de 2023. No entender do representante do grupo, a situação geopolítica derivada do conflito no Médio Oriente terá contribuído para que clientes de destinos como Egito e Turquia procurassem mais pelo destino Cabo Verde.

Segundo Carlos Almeida, Diretor de Recursos Humanos do RIU de Cabo Verde, o grupo emprega atualmente 3.438 trabalhadores, dos quais 93 por cento são cabo-verdianos, sendo duas mil mulheres. A nível de despesas, cerca de 1650 mil contos foram gastos em salários e outros custos sociais.

A mesma fonte salientou que o objetivo é ter um staff completamente cabo-verdiano a gerir os hotéis em Cabo Verde, estando o grupo a apostar na formação dos Recursos Humanos e tendo atualmente dois subdiretores cabo-verdianos a exercer funções no país.

Presente na conferência, a gestora de Responsabilidade Social e Corporativa do grupo em Cabo Verde, Josiane Fernandes, apresentou a estratégia de sustentabilidade, denominada Proudly Committed (Orgulhosamente Comprometidos) para o triénio 2024 a 2026. Fernandes abordou alguns resultados do grupo a nível da saúde, com o consultório pediátrico em Chã de Matias, no Sal, uma parceria com a Africa Avanza, bem como dos projetos ambientais e de biodiversidade tanto com organizações públicas como privadas, e ainda a nível da energia renovável.

O grupo pretende chegar aos 15 % do consumo da energia dos seus hotéis no arquipélago através de painéis solares, estando atualmente a concluir a instalação num dos hotéis na Boa Vista.

Esta é a primeira vez que o grupo espanhol apresenta os resultados financeiros e os investimentos mais recentes do RIU no país a nível público.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Por Cristina Morais

Formada em Jornalismo e Ciências da Comunicação pela Universidade do Porto e pós-graduada em Ciências da Comunicação - vertente Comunicação & Liderança, a comunicação sempre foi uma grande paixão, não fosse uma tagarela e 'inventora de histórias' desde os bancos da escola primária. Trabalha com jornalismo online desde 2008.