Cabo Verde quer promover turismo com tartarugas de forma sustentável

O Governo vai fazer uma avaliação comunitária das atividades de observação e natação com tartarugas em São Pedro, na ilha de São Vicente, por forma a desenvolver este nicho turístico de forma sustentável, anunciou.

O objetivo é “apoiar resultados económicos e sociais a longo prazo para a comunidade, protegendo simultaneamente os recursos marinhos dos quais dependem”, lê-se na abertura de concurso para realização do levantamento.

Há cerca de cinco anos que a comunidade pesqueira de São Pedro introduziu uma oferta turística inédita: passeios em barcos de pesca artesanal, seguidos de mergulho (‘snorkeling’) com tartarugas marinhas verdes (Chelonia mydas), atraídas pela comida.

“O sucesso deste empreendimento atraiu o interesse de outros prestadores de serviços turísticos, como guias e centros de mergulho, gerando conflitos e tensões devido ao sentimento de propriedade da atividade da comunidade”, explica-se no documento.

As atividades estão em linha com as políticas do país.

O Instituto de Turismo, através do projeto “Turismo Resiliente e Desenvolvimento da Economia Azul”, financiado pelo Banco Mundial, visa promover “uma oferta turística mais diversificada” e aumentar o envolvimento das pequenas e médias empresas (PME) nas cadeias de valor do setor.

As águas do arquipélago albergam cinco das sete espécies existentes de tartarugas marinhas, sendo a tartaruga Carretta caretta a única espécie que nidifica nas praias do país – uma espécie emblemática e globalmente ameaçada, sendo que Cabo Verde é o segundo local de concentração mais significativo do Atlântico Norte.

Pretende-se com a avaliação proposta, trabalhar com a comunidade para “desenvolver um plano de ação, entregar de programas de treino personalizados e desenvolver diretrizes para melhorar resultados a curto e médio prazo” das atividades turísticas.

 

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest