Cabo Verde quer reforçar a cooperação com a NATO

Cabo Verde quer reforçar a cooperação estabelecendo uma parceria especial com a NATO, intenção manifestada pela ministra da Defesa, Janine Lélis, no encontro que manteve recentemente, em Bruxelas,com o secretário-geral adjunto daquela organização.

Lélis considera que a aproximação não belisca em nada as relações que o país mantém com outras organizações e países. Ela diz que faz sentido o estreitamento da cooperação com a NATO, tendo em conta a necessidade de “promover a modernização das nossas Forças Armadas”.

Embora não tenha avançado uma posição concreta do seu partido sobre essa matéria, o presidente do PAICV, Rui Semedo, considera que pela importância e complexidade sobretudo na atual conjuntura internacional, a questão deveria ter sido debatida.

“Acho que exige pelo menos um debate para se conhecer a posição dos sujeitos políticos com assento parlamentar (…) mas este seria claramente um diálogo de abrangência nacional para que qualquer que seja o passo a ser dado, fosse de entendimento geral do país”, afirma Semedo.

Semedo lembra que por ocasião da realização dos exercícios da NATO, no arquipélago, houve encontros e a matéria foi alvo da aprovação de um documento enquadrador no Parlamento que permitisse a sua viabilização.

Sobre a questão , a ministra da Defesa diz que não se trata de algo novo tendo em conta que as relações com a NATO não são de agora, havendo na sua óptica um certo alinhamento entre as principais forças politicas.

Por outro lado, a governante não vê problemas nas relações com outros parceiros, nomeadamente a China, que conforme ela também tem apoiado as Forças Armadas do arquipélago.

Na mesma linha, o analista e antigo Conselheiro da Segurança Nacional, Brigadeiro Antero Matos, afirma que a aproximação à NATO não constitui novidade. Na sua opinião, essa relação não deve beliscar as relações com outros parceiros.

“O importante é a manutenção da nossa autonomia estratégica. Ambos partidos do arco da governação tem procurado essa aproximação com a Aliança Atlântica”, diz Matos.

E o ex -Chefe de Estado Maior das Forças Armadas, Brigadeiro Carlos Pereira, diz que a partir do momento que o Executivo definiu os Estados Unidos da América como principal parceiro em matéria da defesa e segurança, o reforço das relações com a Nato era um processo natural.

Acompanhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest