Cabo Verde perde com Senegal e diz adeus ao CAN em partida que termina com nove jogadores

Cabo Verde perde com Senegal e diz adeus ao CAN em partida que termina com nove jogadores

Cabo Verde perdeu hoje com o Senegal numa partida em que grande parte do tempo a seleção nacional jogou reduzida a 10 e nove jogadores. O Senegal fica assim apurado para os quartos de final da Taça das Nações Africanas (CAN).

Uma entrada dura de Patrick Andrade, aos 21 minutos, merecedora de cartão vermelho, levou à sua expulsão, depois de o árbitro, que tinha exibido o cartão amarelo, ter sido alertado pelo videoárbitro (VAR) para ver o lance no monitor.

De resto, com exceção de um lance no primeiro minuto, em que Sadio Mané atirou ao poste da baliza de Vozinha, Cabo Verde, mesmo depois de reduzido a 10, controlou o ataque senegalês, que teve apenas mais um lance de perigo protagonizado pela estrela do Liverpool, ao qual o guarda-redes cabo-verdiano pôs cobro.

Embora Edouard Mendy teha sido um mero espetador na baliza senegalesa até ao intervalo, a exibição da equipa, em termos ofensivos, foi uma deceção, por falta de dinâmica nas ações, muito previsíveis, sem ponta de criatividade, sem velocidade.

Na segunda parte, até à expulsão de Vozinha, aos 57 minutos, o cariz do jogo não se alterou, com o Senegal incapaz de criar oportunidades de golo, mas tudo mudaria a partir do lance impressionante que envolveu o guarda-redes cabo-verdiano e Sadio Mané. O jogador do Liverpool corria isolado e saltou para cabecear a bola quando se deu o choque de cabeças e queda desamparada de ambos, que ficaram muito abalados.

No entanto, o árbitro, mais uma vez alertado pelo VAR, foi ao monitor e expulsou Vozinha, numa decisão suscetível de gerar alguma polémica, uma vez que o contacto de Mané com a bola é simultâneo ao choque de cabeças, além de que havia um defesa de Cabo Verde com hipóteses de dobrar o seu guarda-redes.

Apesar de visivelmente afetado pelo choque de cabeças, Mané permaneceu em campo e acabou por ser determinante, quando, seis minutos depois, inaugurou o marcador, aos 63, com um remate imparável, que levou ainda a bola a bater na parte inferior da barra. Aos 70 minutos, acabou substituído por se ressentir do choque com Vozinha.

A partir do momento em que ficou a jogar com nove jogadores, os quais foram de uma entrega insuperável, as coisas se tornaram muito complicadas para Cabo Verde, que foi resistindo como pôde e ainda teve força e energia para pregar um susto ao Senegal nos últimos minutos, antes de Bamba Dieng ‘selar’ a passagem da sua equipa para os ‘quartos’ com o segundo golo, aos 90+2, quando a equipa cabo-verdiana estava toda balanceada para o ataque na tentativa de forçar o empate e o prolongamento.

O selecionador nacional Bubista viu-se forçado a lançar, aquando da expulsão de Vozinha, o guarda-redes do Montalegre, da Liga 3, Márcio Rosa, que ainda evitou dois golos, sacrificando o avançado Garry Rodrigues.

 

Senegal – Cabo Verde, 2-0.

Estádio Kouekong, em Bafoussam.

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores:

1-0, Sadio Mané, 63 minutos.

2-0, Bamba Dieng, 90+2.

 

Equipas:

– Senegal: Édouard Mendy, Bouna Sarr, Kalidou Koulibaly, Abdou Diallo, Saliou Ciss, Boulaye Dia, Idrissa Gueye, Nampalys Mendy, Pape Gueye (Joseph Lopy, 82), Famara Diédhiou (Fodé Ballo-Touré, 82) e Sadio Mané (Bamba Dieng, 70).

Selecionador: Aliou Cisse.

– Cabo Verde: Vozinha, Steven Fortes, Roberto Lopes (Diney Borges, 46), Stopira, Jeffry Fortes, Patrick Andrade, Rocha Santos (Júlio Tavares, 75), Dylan Tavares (Nuno Borges, 69), Ryan Mendes (Lisandro Semedo, 75), Garry Rodrigues (Márcio Rosa, 59) e Jamiro Monteiro.

Selecionador: Pedro Leitão Brito.

 

Árbitro: Lahlou Benbraham (Argélia).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Nampalys Mendy (72). Cartão vermelho direto para Patrick Andrade (21) e Vozinha (57).

 

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest