CAN2023: Bruno Varela diz que “não seria justo” jogar sem ter feito qualificação

O guarda-redes Bruno Varela afirmou hoje que “não seria justo” representar a seleção de Cabo Verde na Taça das Nações Africanas (CAN2023) de futebol, depois de se ter ausentado da fase de qualificação para a 34.ª edição.

Através da rede social Instagram, o guardião de 29 anos realçou que a ausência da CAN foi “pensada e ponderada durante algum tempo” e agradeceu a compreensão dos dirigentes da Federação Cabo-Verdiana de Futebol (FCF) e do selecionador, Pedro Brito ‘Bubista’, que hoje anunciou a lista de 26 convocados para a prova que se disputa na Costa do Marfim, entre 13 de janeiro e 11 de fevereiro.

“Tomei a decisão de não estar presente por uma questão ética e moral da minha parte, tendo em conta que não tinha participado em nenhum estágio ou jogo de qualificação para a CAN. Todos sabemos da dificuldade que são esses jogos e as viagens no continente africano. Não seria justo da minha parte”, escreveu o jogador do Vitória de Guimarães, da I Liga portuguesa de futebol.

Chamado pela primeira vez à seleção cabo-verdiana em 04 de outubro, Bruno Varela somou a primeira internacionalização em 12 de outubro, num encontro particular com a Argélia (5-1), mas falhou os jogos do Grupo D da fase de qualificação africana para o mundial de 2026, com Angola (0-0), em 16 de novembro, e Essuatini (triunfo por 2-0), em 21 de novembro, devido à falta de autorização da FIFA para jogos oficiais.

O guarda-redes recebeu, em dezembro, essa autorização da FIFA, mas considera injusto “aparecer na grande competição” e correr o risco de “tirar o espaço” a três guarda-redes que tiveram “mais impacto, mérito e presença” na qualificação, os convocados Josimar Dias ‘Vozinha’, Márcio da Rosa e Dylan Silva.

Antes de optar pelos ‘tubarões azuis’, o guarda-redes com dupla nacionalidade representou Portugal no europeu sub-19 por duas vezes, no europeu sub-21 por duas vezes, no mundial sub-20 de 2013 e no torneio masculino de futebol dos Jogos Olímpicos Rio2016 entre 2012 e 2017, períodos em que representou Benfica, Vitória de Setúbal e Valladolid.

Já ao serviço do Vitória de Guimarães, o guarda-redes trabalhou com a principal seleção portuguesa em outubro de 2020, como substituto de Anthony Lopes, que apresentara um teste positivo ao novo coronavírus, durante a pandemia de covid-19.

Grato ao clube vimaranense, quinto classificado da I Liga portuguesa, por ter respeitado o tempo para tomar uma decisão, sem exercer “qualquer tipo de pressão”, Bruno Varela afirma-se “100% disponível para a seleção” depois da CAN.

Na quarta participação na fase final da CAN, Cabo Verde integra o Grupo B e estreia-se diante do Gana, em 14 de janeiro, antes de realizar um duelo lusófono com Moçambique, em 19 de janeiro, e de defrontar o Egito, no dia 22.

Inforpress/Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest