Corte de eletricidade cresceu 45% para 110 horas de apagões em 2021

O tempo com interrupções no fornecimento de eletricidade aumentou 45% em 2021, face ao ano anterior, para quase 110 horas de ‘blackout’, problema que segundo o grupo estatal Electra afeta sobretudo a ilha Brava.

Globalmente, segundo dados compilados pela Lusa a partir de um relatório anual da Electra, grupo responsável pela produção e distribuição de eletricidade em Cabo Verde, através de mais de uma dezena de centrais térmicas, parques eólicos e solares, registaram-se em 2021 um total de 158 interrupções nesse fornecimento, que se prolongaram por 6.592 minutos (praticamente 110 horas).

Em 2020, a Electra identificou 120 interrupções em todo o país, que se prolongaram por 4.560 minutos (76 horas).

Contudo, a situação, tal como em 2020, afetou no ano passado sobretudo a ilha da Brava, com 58 interrupções que se prolongaram por 4.197 minutos (70 horas) em 2021, enquanto a capital cabo-verdiana, a cidade da Praia, totalizou sete interrupções num total de 145 minutos (quase duas horas e meia), menos de metade do tempo de ‘blackout’ verificado em 2020, que foi, em seis cortes, de 399 minutos (mais de seis horas e meia).

“As interrupções no fornecimento de eletricidade aumentaram em quase todos os sistemas elétricos, com exceção das ilhas de São Vicente e Fogo, tendo sido registados [nestas duas] progressos na garantia de continuidade do serviço, com redução substancial do número de ‘blackouts’. Destacam-se a ilha de São Vicente, onde se registou o menor número de ‘blackouts’ (três). A ilha da Brava é o centro de produção com maior número de interrupções gerais de energia registado no corrente ano [de 2021]”, lê-se num relatório anual da Electra.

Nas últimas semanas, a cidade da Praia, que concentra cerca de um terço da população do país, confronta-se com ‘apagões’ praticamente diários.

Na segunda-feira, 11 de julho, a empresa comunicou que “por motivos de segurança, houve necessidade de se proceder a uma paragem de emergência” na central de produção de Palmarejo, na Praia, “para uma intervenção no circuito de alimentação”.

“Esta paragem operacional de caráter urgente era inadiável, e a avaria já se encontra resolvida. A operação de emergência afetou com corte do serviço, parte da cidade da Praia e todos os municípios do interior de [ilha] Santiago”, refere-se num comunicado divulgado então pela Electra.

No dia anterior, o grupo estatal admitiu igualmente a ocorrência em 08 de julho de “problemas operacionais pontuais no sistema de produção, em simultâneo com manutenções em curso”, que “provocaram cortes gerais de energia elétrica em toda a ilha de Santiago”, e ainda no dia 10 de julho avarias “num troço da rede subterrânea de média tensão”, que igualmente “provocou corte no fornecimento de eletricidade, em parte do município da Praia”.


Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest