Covid-19: África enfrenta tragédia humana e calamidade económica – FMI

A diretora executiva do Fundo Monetário Internacional (FMI) disse esta quarta-feira, 23, que a covid-19 em África é uma "tragédia humana e uma calamidade económica", defendendo o reforço do apoio para a região com o crescimento mais rápido da pandemia.

 


“África está agora a enfrentar a mais rápida taxa de crescimento mundial de novos casos de covid-19, com uma trajetória exponencial ainda mais alarmante do que durante a segunda vaga, em janeiro, e segundo a tendência atual, esta vaga vai provavelmente ultrapassar os picos anteriores durante a próxima semana”, afirmou Kristalina Georgieva, na sua intervenção nos Encontros Anuais do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD).


“É uma tragédia humana e uma calamidade económica”, disse a responsável, exemplificando que “vários países no continente, desde a África do Sul ao Uganda ou Ruanda, foram obrigados a reintroduzir restrições, piorando ainda mais uma recuperação já de si precária, num contexto em que África está mal protegida devido a uma severa falta de vacinas, já que só 0,6% da população adulta africana foi completamente vacinada”.


Para Georgieva, “os sinais de alarme são claros, e mostram uma pandemia a duas velocidades, que leva a uma recuperação a duas velocidades, com África a ficar para trás em termos de perspetivas de crescimento económico”.


O FMI estima uma taxa de crescimento global de 6% este ano, mas apenas 3,2% para o continente africano.


Os Encontros Anuais do BAD decorrem até sexta-feira em formato virtual, dedicados ao tema “Construindo Economias Resilientes na África Pós-Covid”, e vão fornecer uma plataforma para os governadores partilharem a experiência dos seus países na gestão da pandemia e nas medidas políticas que estão a implementar para reconstruir as economias, segundo a organização.


O BAD é uma entidade financeira multilateral vocacionada para financiar o desenvolvimento, cujos acionistas são os governos africanos e outros países não regionais, como por exemplo Portugal.


África registou mais 459 mortes associadas à covid-19 nas últimas 24 horas, para um total de óbitos desde o início da pandemia de 138.154, e 21.547 novos infetados, de acordo com os dados oficiais mais recentes.


Segundo o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o número total de casos no continente é de 5.234.387 e o de recuperados da doença é de 4.643.802, mais 21.290 nas últimas 24 horas.


O primeiro caso de covid-19 em África surgiu no Egito, em 14 de fevereiro de 2020, e a Nigéria foi o primeiro país da África subsaariana a registar casos de infeção, em 28 de fevereiro.


A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.884.538 mortos no mundo, resultantes de mais de 179 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

 

Lusa

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest