Covid-19: Brasil com mais 93.317 casos e 3.693 mortos nas últimas 24 horas

O Brasil somou 3.693 mortos e 93.317 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, naquele que é o segundo dia com mais infeções pelo novo coronavírus desde o início da pandemia, informou hoje o executivo.

O dia em que o país sul-americano registou mais diagnósticos da doença num só dia ocorreu em 25 de março, quando 100.158 pessoas foram diagnosticadas com a covid-19.

No total, o Brasil, com 212 milhões de habitantes, concentra 348.718 vítimas mortais e 13.373.174 casos desde que a pandemia chegou ao país, em fevereiro do ano passado, segundo o último boletim epidemiológico difundido pelo Ministério da Saúde.

 

Mantendo a tendência observada ao longo de todo o mês de março e na primeira semana de abril, o Brasil continua a ser a nação com mais mortes registadas em 24 horas, muito acima dos Estados Unidos, país mais afetado pela covid-19 em números absolutos, ou da Índia.

 

Ainda de acordo com a tutela da Saúde brasileira, a taxa de incidência da doença no país, que atravessa o seu momento mais critico da pandemia, aumentou hoje para 166 mortes e 6.364 casos por 100 mil habitantes.

 

Geograficamente, os Estados brasileiros que concentram maior número de infeções são São Paulo (2.618.067), Minas Gerais (1.208.529), Rio Grande do Sul (886.149) e Paraná (877.883).

 

São Paulo (81.750), Rio de Janeiro (39.038), Minas Gerais (27.250) e Rio Grande do Sul (21.779) são, por sua vez, as unidades federativas com mais vítimas mortais.

 

Desde o registo do primeiro caso em solo brasileiro, quase 11,8 milhões de pacientes recuperaram da doença, enquanto que 1.232.571 infetados permanecem sob acompanhamento médico.

 

Naquele que é o momento mais grave da pandemia no país, o executivo de São Paulo, foco da covid-19 no Brasil, relaxou ligeiramente as medidas de isolamento social, tendo anunciado hoje que a região sairá da fase de emergência e passará para a “fase vermelha” do “Plano São Paulo”.

 

A mudança foi decretada após o Estado registar uma ligeira queda na taxa de internação nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI), que continua em patamares elevados, acima de 88%.

 

Apesar dos números, o governador, João Doria, considerou ser possível flexibilizar e permitir o funcionamento de alguns setores considerados essenciais.

 

O denominado “Plano São Paulo” dividiu o estado em 22 regiões e sub-regiões, reunindo grupos de municípios sujeitos às mesmas regras. As fases de restrições e flexibilizações do funcionamento de serviços, comércio e atividades são divididas em vermelha (1), a mais restrita, laranja (2), amarela (3), verde (4) e azul (5), a mais branda.

 

Assim, passará a ser permitido, por exemplo, o regresso das atividades presenciais nas escolas das redes públicas e privadas, será mantido o toque de recolher das 20:00 às 05:00, e será permitido a realização de eventos desportivos profissionais, sem público, após as 20:00, como os jogos do Campeonato Paulista de futebol.

 

Também o Rio de Janeiro, segunda maior cidade do Brasil e uma das mais atingidas pela pandemia de covid-19, autorizou a reabertura de bares, restaurantes e lojas hoje, 10 dias depois de fechar estes estabelecimentos para conter a propagação da doença.

 

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.903.907 mortos no mundo, resultantes de mais de 133,9 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

 

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Pode gostar também

Deixe um comentário

Follow Us