Covid-19: CPLP e G7+ vão reforçar cooperação para acelerar vacinação

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e o G7+, grupo de Estados frágeis, anunciaram hoje que vão reforçar a cooperação no domínio da saúde pública para acelerar a vacinação contra a covid-19 nos seus Estados-membros.

No final de uma reunião entre representantes das duas organizações, na sede da organização lusófona, em Lisboa, o secretário-executivo da CPLP, Zacarias da Costa, referiu que foram apresentadas diversas propostas de cooperação “no formato sul-sul”, nomeadamente “o combate às enormes desigualdades existentes no que toca ao processo de vacinação” contra a covid-19.

Por seu lado, o secretário-geral do G7+, o timorense Hélder da Costa, referiu que o grupo está a viver uma “situação delicada” no campo da saúde pública, referindo que tem havido “uma aproximação a várias associações farmacêuticas e companhias para acelerar o processo de vacinação” nos seus países-membros, nomeadamente nos mais frágeis, onde a taxa de vacinação é muito baixa”.

“As pessoas não têm acesso à vacinação, e essa também é uma das tarefas que queremos desenvolver juntamente com a CPLP”, realçou.

Segundo o responsável da organização lusófona, foram abordadas ainda outras formas de cooperação, como a promoção e difusão da língua portuguesa e na concertação política e diplomática junto de organizações como as Nações Unidas.

“São diversas as formas de concretizar esta parceria CPLP – G7+, a implementação de iniciativas de interesse, com financiamento e cofinanciamento, através do Fundo Especial” da organização dos países de língua portuguesa, sublinhou Zacarias da Costa.

Na reunião de hoje, o secretário-executivo da CPLP recebeu as cartas credenciais do g7+, que obteve a categoria de Observador Associado da CPLP na XIII Conferência de Chefes de Estado e de Governo que decorreu em 17 de julho, em Luanda, Angola.

A entrega das cartas credenciais do G7+ contou com a presença do presidente do grupo, o ministro do Planeamento e Desenvolvimento Económico da Serra Leoa, Francis Kai Kai, e do secretário-geral, Helder da Costa, que será a partir de agora o representante permanente daquele grupo de países em Lisboa.

Zacarias da Costa realçou ainda o facto de as duas organizações terem três Estados-membros em comum: Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste e que “vários dos países do G7+ conhecem diásporas de língua portuguesa e têm ligações históricas, culturais e económicas com os países da CPLP, que é uma organização promotora da paz e da solidariedade entre as nações”.

“Obviamente que todos esses aspetos abrem caminho a um enorme capital de empatia e amizade entre os nossos países que servem de base a uma relação de cooperação vibrante e dinâmica, que o estatuto de observador associado permitirá concretizar”, acrescentou.

Helder da Costa, destacou, em declarações à Lusa à margem do encontro, um conjunto de planos de atividade na área da promoção do português, “uma língua para a disseminação da paz”, acrescentando que, “como São Tomé e Príncipe e Timor-Leste também fazem parte do grupo, irão trabalhar juntos no campo da concertação político diplomática entre as duas instituições”.

O responsável avançou que ainda estão a discutir com a CPLP “futuras parcerias no campo do desenvolvimento económico, “nomeadamente a promoção do setor privado” nos Estados-membros das duas organizações, “para promover a economia” dos seus países.

Helder da Costa referiu que dentro do G7+, os países que mais preocupam a organização são o Afeganistão, que “pela mudança no poder é um problema global, reconhecido internacionalmente”, mas o Iémen, Haiti, República Democrática do Congo, Guiné-Conacri, “que recentemente teve um golpe de Estado”, ou o Sudão do Sul suscitam preocupações.

Assim, admitiu que “a cooperação na área da concertação política e diplomática junto de organizações como as Nações Unidas”, é um dos interesses do G7+ nesta aproximação à CPLP.

Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste são os nove Estados-membros da CPLP, que este ano celebrou o seu 25.º aniversário, contando já com 32 países e organizações como observadores associados.

O G7+ é uma organização internacional, com sete países, que viveram ou vivem em situação de conflito ou numa situação de particular fragilidade política.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest