Cruz Vermelha quer aumentar em mais de 50% o rendimento com plataforma digital

O presidente da Cruz Vermelha avançou que a instituição pretende aumentar em mais de 50% o rendimento do sector dos jogos sociais com a implementação da plataforma digital dos jogos sociais prevista para o segundo trimestre de 2024.

Arlindo de Carvalho deu esta informação em entrevista à Inforpress, tendo afiançado que a Cruz Vermelha está a ultimar os preparativos para a implementação do projecto de digitalização e modernização dos jogos sociais, que vai trazer novidades para o país.

Conforme lembrou, o projecto de jogos sociais que vem sendo trabalhado há vários anos, irá revolucionar todo o sistema de exploração de jogos sociais em Cabo Verde, realçando que o País sairá de um sistema mecânico para um sistema digitalizado.

“Estamos na fase final, falta somente um diploma do Governo para fecharmos todo o dossiê. Neste momento, os equipamentos já estão aqui, os técnicos já receberam a formação, os recursos humanos estão adestrados, os agentes irão também receber a formação e cada agente irá receber equipamentos”, salientou.

Acrescentou que os agentes serão treinados e munidos de instrumentos que lhes permitirão ter acesso ao sistema, realçando que se trata de uma plataforma moderna de jogos em que pessoas podem jogar nas agências, mas também a partir das suas casas mediante a utilização dos smartphones.

Garantiu que a modernização em curso irá facilitar a vida dos jogadores de Totoloto e do Joker, que agora, em vez de perderem tempo deslocando-se às agências, podem jogar através de um simples telemóvel ou portátil ou mesmo de um terminal com comunicação com internet.

“Este projecto irá trazer uma nova dinâmica à Cruz Vermelha e queremos com a implementação deste projecto aumentar em mais 50% o rendimento do sector dos jogos. Segundo a nossa previsão será no início do segundo trimestre. Neste momento, o único condicionalismo foge ao controlo da Cruz Vermelha, que é o diploma que falta, mas acredito que o Governo está a trabalhar neste sentido”, declarou.

Adiantou ainda que a Cruz Vermelha já dispõe de um espaço na Cidade da Praia que será designado “Casa dos Jogos” e que a previsão é de, igualmente, instalar um novo espaço em São Vicente para o funcionamento do referido projecto orçado em cerca de 500 mil contos.

“Os 110 agentes também vão receber a formação em número de três para cada agência e acreditamos que no mês de Junho, estaremos em condições de testemunhar a existência de uma nova plataforma de jogos em Cabo Verde”, realçou, indicando que a Cruz Vermelha de Cabo Verde está a mobilizar parcerias internacionais.

Segundo Arlindo de Carvalho, o referido projecto vai permitir a internacionalização da economia social de Cabo Verde, isto porque através deste sistema, explicou, outros países poderão associar-se ao sistema de Cabo Verde.

A Cruz Vermelha de Cabo Verde recebeu em 1977 a concessão para explorar a Lotaria Nacional e, em 1997, foi escolhida para gerir o Totoloto e o Joker em todo o território nacional. Em Novembro de 2020, assinou com o Estado de Cabo Verde um acordo de concessão para exploração dos jogos sociais em regime de exclusividade durante 20 anos.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest