Défice da balança comercial de Cabo Verde reduz-se em 15%

O défice da balança comercial de Cabo Verde recuou 15% em outubro, em termos homólogos, e a taxa de cobertura das importações pelas exportações diminuiu 3,8 pontos percentuais, para 2,8%, anunciou o Instituto Nacional de Estatística (INE).

O défice é de sete mil milhões de escudos (63,5 milhões de euros), lê-se no boletim de Estatísticas do Comércio Externo de outubro.

Os dados provisórios, divulgados na quinta-feira e consultados hoje pela Lusa, indicam um decréscimo das exportações de 65,6% relativamente ao mesmo mês de 2022.

Por outro lado, as importações diminuíram 18,3% no mesmo período.

Em termos homólogos, Portugal reforçou o papel de principal país fornecedor das importações de Cabo Verde, subindo de 41,4% para 44,9% em outubro deste ano.

Olhando às zonas económicas, a Europa é a região de origem de cerca de três quartos (74%) das importações.

Os combustíveis lideram a lista de produtos importados, embora diminuindo o seu peso de 20,6% para 19,5%. 

Outros produtos com menor representatividade no cabaz de importações registaram maiores aumentos, como é o caso dos veículos automóveis e cimentos.

Do lado das exportações cabo-verdianas, Portugal reforçou-se como principal país de destino (47,9% dos produtos exportados), seguindo-se Espanha (25,3%) e Itália (23%).

Entre os produtos cabo-verdianos vendidos para o exterior, o vestuário liderou a lista de outubro (33,4%), seguindo-se os preparados e conservas (30%) e o calçado (14,5%).

O INE indicou ainda uma diminuição das reexportações (mercadorias de países estrangeiros que entram e são exportadas, sem qualquer transformação) em 10,3% comparativamente ao mês de outubro de 2022.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest